A primeira edição do Dia do Vinho do Porto, que se assinala a 10 de setembro, faz uma homenagem aos viticultores, comerciantes e ao vinho produzido no Douro, a mais antiga e regulamentada região demarcada do mundo.

Foi precisamente a 10 de setembro de 1756 que foi criada a Região Demarcada do Douro, através da criação da Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro, pelo Marques de Pombal.

“O Port Wine Day (Dia do vinho do Porto) é um dia de celebração mais especial do vinho do Porto”, afirmou hoje à agência Lusa o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), Manuel de Novaes Cabral.

É um dia também, acrescentou, de homenagem aos produtores, comerciantes e todos os intervenientes que, ao longo da história, ajudaram a consolidar o vinho do Porto como “embaixador da região, da cidade e do país no mundo”.

E, para esta primeira edição, o IVDP organizou um seminário, que se realiza no Porto, onde vão ser debatidos temas como os “Desafios do mercado asiático” e “O futuro da harmonização da gastronomia e vinhos”.

Manuel Cabral salientou que o mercado asiático, desde a China, à Coreia do Sul ou outros países, “é relevante e levanta muitas expectativas”.

Para este seminário foram convidados especialistas que conhecem bem este território e que, por isso, podem desvendar a “efetiva valia desses mercados” e qual a “melhor maneira de os abordar e aí penetrar”.

“Valia dos mercados e como abordar esses mercados, este é o principal objetivo deste nosso debate”, sustentou o presidente do IVDP.

Entre os convidados destacam-se a especialista Debra Meiburg, que chega de Hong Kong e é considerada a sétima mulher mais influente no mundo dos vinhos, bem como o sommelier Ferrán Centelles.

Manuel Cabral disse que “ainda há muito trabalho a fazer na diversificação dos mercados” de vinho do Porto, mas também na “sustentação dos mercados tradicionais”.

Atualmente, verifica-se uma grande concentração de vendas deste produto em países como a França, Portugal, Holanda, Bélgica, Estados Unidos da América e Grã Bretanha, os quais compram mais de 80% deste vinho.

“Temos que encontrar novos mercados, mas é preciso também trabalhar melhor nos atuais, sobretudo encontrar formas de penetrar com os produtos de valor acrescentado, em particular as categorias especiais de vinho do Porto”, frisou.

O responsável salientou que as “linhas da comercialização estão em terreno positivo”.

Entre janeiro e junho deste ano, foram vendidos 141 milhões de euros de vinho do Porto, mais 2,3% do que em igual período do ano passado, com um aumento significativo nas categorias especiais.

“Estamos no caminho da valorização do produto”, salientou.

Vendas que se prevê que aumentem ainda mais nos últimos quatro meses do ano, período durante o qual a comercialização de vinho do Porto costuma ter um acréscimo na ordem dos 40%.

Durante a tarde do Port Wine Day, os protagonistas são os produtores que vão dar a conhecer e a provar os melhores vinhos vintage da primeira década do século XXI.

No dia a seguir, os especialistas e jornalistas que participarem no evento são convidados para uma visita ao Douro.