O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon apelou no domingo aos protagonistas do conflito na República Centro-Africana (RCA) para “cessarem imediatamente a violência” e investirem no progresso da transição política.

Num comunicado divulgado por ocasião da transferência de autoridade da força internacional da União Africana (MISCA) para os capacetes azuis da Missão Multidimensional integrada de estabilização da ONU para a RCA (MINUSCA), Ban Ki-moon “exortou aos principais atores a manterem o seu envolvimento, favorecendo um processo político inclusivo, com o fim de garantir o total sucesso da transição do país”.

“Esta transferência de autoridade representa o sucesso do mandato da MISCA e o início de uma ação militar e policial da MINUSCA na República Centro-Africana”, sublinhou o secretário-geral da ONU. Ban Ki-moon manifestou a sua “profunda gratidão à MISCA, que salvou e protegeu inúmeras vidas” e saudou a “colaboração exemplar das Nações Unidas e da União Africana”.

Atualmente, precisa a ONU, a MINUSCA conta com 6.500 soldados e 1.000 polícias, além de um ‘braço’ civil. A força da ONU, criada em abril por resolução do Conselho de Segurança, deve chegar aos 12.000 soldados e polícias em plenas funções quando iniciar o seu mandato a 30 de abril de 2015.