Obrigado por ser nosso assinante. Beneficie de uma navegação sem publicidade intrusiva.

Os gatos são desconfiados. Não se dão facilmente, gostam de andar na sua vida. Mas também gostam de algum mimo. “Os gatos não têm vertigens”, diz o realizador António-Pedro Vasconcelos no seu novo filme, que estreia esta quinta-feira nos cinemas.

Lisboa em tempos de crise. No dia em que faz 18 anos, Jó (João Jesus) participa num furto, é expulso de casa pelo pai e volta a ser ignorado pela mãe. Sem ter sítio para onde ir, refugia-se no terraço do prédio de Rosa (Maria do Céu Guerra), que acaba de perder subitamente o marido e se vê confrontada com um dos grandes problemas da terceira idade, a solidão.

As hipóteses de nascer uma grande amizade entre um jovem desfavorecido e uma culta senhora de 73 anos são escassas. Mas António-Pedro Vasconcelos, que realizou “Jaime” em 1999, gosta de usar o cinema para contar histórias e é o que faz uma vez mais. Jó é desconfiado como os gatos, Rosa deixa-lhe comida às escondidas. Jó começa por não aceitar carinho, mas aprende a confiar nas pessoas. Não se sabe se terá sete vidas, mas a relação com Rosa é o ponto de partida para uma nova.

Com argumento de Tiago Santos e produção da MGN Filmes, “Os gatos não têm vertigens” é uma história de confiança e amor com um final feliz, que vale sobretudo pela premissa e pela interpretação de Maria do Céu Guerra.

[jwplatform P3xM2bO0]

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR