Uma combatente curda protagonizou neste domingo um ataque suicida contra uma posição de “jihadistas” do Estado Islâmico (EI), na cidade síria de Kobané, causando alguns mortos, disse fonte do Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH). A mulher fez-se explodir a leste de Kobané, a terceira vila curda de Síria sitiada pelo EI, que tenta tomar a localidade desde 16 de setembro. O ataque provocou mortes, mas ainda não há números confirmados, acrescentou o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahmane.

Trata-se do primeiro ataque suicida, de que há conhecimento, perpetrado por uma combatente curda contra o EI, referiu. Os “jihadistas” encontram-se a cerca de um quilómetro de Kobané. Se conseguirem tomar a cidade, o EI garantiria o controlo de uma longa faixa do território, na fronteira da Síria com a Turquia.

A luta travada em torno da cidade levou ao deslocamento de 300.000 habitantes, dos quais 180.000 encontraram refúgio na Turquia, onde morteiros e obuses caíram de forma insistente desde segunda-feira. Um óbus explodiu hoje numa casa na periferia da cidade fronteiriça de Suruç, a dois quilómetros do território, causando cinco feridos.