O número de milionários nacionais continua a aumentar: são agora 75.903 portugueses com mais de um milhão de dólares (cerca de 788 mil euros), incluindo três que têm mais de mil milhões de dólares (788 milhões de euros), relata o Jornal de Notícias. Todavia, não é preciso ter um milhão para ser um dos mais ricos do mundo.

Se o seu património, a soma das aplicações financeiras e dos ativos imobiliários subtraída das dívidas, for superior a 2.674 euros, então está na metade da população mundial mais rica, mostra o estudo do Credit Suisse em que se baseia o Jornal de Notícias. Uma fortuna de 56.406 euros coloca-o entre os 10% dos mais ricos do globo. Para se candidatar a estar entre os 1% dos mais ricos, o valor da sua riqueza tem de ultrapassar cerca de 585 mil euros.

O estudo do Credit Suisse realça a desigualdade do património mundial. A metade da população que menos tem (aqueles com menos de 2674 euros) absorve menos de 1% da riqueza pessoal no planeta. Os ultramilionários no percentil superior têm 48,2% da fortuna mundial. Mesmo assim, Portugal é um dos países onde o desequilíbrio é menor: os 10% mais ricos têm 58,3% da riqueza nacional. A Rússia é onde a desigualdade é maior (10% têm 84,8%) e a Bélgica onde é menor (10% têm 47,2%).

EUA têm mais milionários

Os Estados Unidos da América lideram a lista dos países com mais milionários (classificados em dólares norte-americanos), 14,2 milhões, segundo o Credit Suisse. “Há alguns anos, o número de milionários japoneses não estava longe do número dos Estados Unidos, mas o número de milionários norte-americanos cresceu enquanto o número de milionários japoneses diminuiu”, informa o relatório do banco suíço. Enquanto os EUA têm 41% dos milionários mundiais, o Japão acolhe 8%, não muito longe dos 7% de França e dos 6% da Alemanha e do Reino Unido.

Na Suíça, residem 2% dos milionários mundiais, mas são os suíços que gozam das maiores fortunas. Em meados deste ano, o património médio da população adulta da Suíça era de 425 mil euros, mais 35% dos segundos classificados, os australianos.

Suíços são os únicos acima dos 400 mil euros

Embora os EUA sejam a nação com mais milionários, Suíça, Austrália e Noruega estão à frente na lista dos patrimónios médios mais elevados.

Europa a subir

Os três autores do estudo do Credit Suisse Research Institute – Anthony Shorrocks, diretor da consultora britânica Economic Perspectives; Jim Davies, professor de Economia na Western Ontario University no Canadá; e Rodrigo Lluberas, analista no banco central do Uruguai – acreditam que a Europa fornecerá a maior parte dos novos milionários nos próximos cinco anos. Dos 18,3 milhões de novos milionários, 7,3 milhões estarão no Velho Continente.

As três maiores economias europeias – Alemanha, França e Reino Unido – serão os maiores contribuintes para o destaque da Europa. O número de milionários nestes países crescerá acima dos 60%.

Malásia deverá duplicar milionários em cinco anos

França, Reino Unido e Alemanha, com taxas estimadas de crescimento de 70%, 66% e 65%, respetivamente, preparam-se para roubar o segundo lugar ao Japão nas nações com mais milionários.

Os mercados emergentes serão, todavia, onde o crescimento será mais acentuado. O número de milionários em África deverá aumentar 93% até 2019, próximo do crescimento na Malásia e na China. Nesse ano, a Europa terá quase tantos milionários como os EUA, mais de 19 milhões cada.