O ex-diretor do Serviço de Informações Estratégicas de Defesa (SIED), Jorge Silva Carvalho, critica o Ministério Público por fugas de informação no caso dos vistos gold e questiona mesmo sobre se a Procuradoria-Geral da República já abriu algum inquérito por violação do segredo de justiça.

Silva Carvalho está acusado de acesso indevido a dados pessoais, abuso de poder e violação de segredo de Estado, num processo relacionado com escutas a um jornalista do Público que escreveu sobre o mal-estar causado por mudanças de espiões e dirigentes quando aquele era diretor do SIED.

Num texto publicado no Facebook, o ex-espião diz ter várias dúvidas sobre o que está a acontecer, nomeadamente, sobre se “os operadores judiciários têm sempre de usar este modus operandi para investigar um caso… através do uso sistemático de leaks cirúrgicos” e acusa mesmo o juiz Carlos Alexandre de querer ser “uma estrela de televisão”.

“Será que seria possível aos operadores judiciários proteger as instituições da República mesmo quando os titulares dos seus cargos são pessoas menos qualificadas ou menos profissionalmente capazes”, questiona. Sobre Carlos Alexandre: “Será que o senhor super-juiz de Instrução Criminal não pode fechar a janela ou por uma cortina no seu gabinete? Se quer ser estrela de televisão talvez esteja na profissão errada…”. Isto, porque houve imagens das televisões que mostraram no fim de semana o juiz no seu gabinete no Campus de Justiça, uma vez que o edifício moderno no Parque das Nações tem paredes completamente envidraçadas.