Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O antigo primeiro-ministro, José Sócrates, pediu para ser ouvido pelas autoridades poucas horas antes de ser detido no aeroporto de Lisboa, na noite de 21 de novembro, de acordo com o Público e o Correio da Manhã. A defesa do ex-primeiro-ministro pretendia provar que Sócrates estava disponível para colaborar com as autoridades e, assim, evitar a sua detenção, adiantam os jornais.

O requerimento foi enviado, por email, pelo advogado João Araújo para o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), às 15h09, mas só terá chegado “no dia 25 pelas 16 horas”, explicou o advogado em declarações ao mesmo jornal. João Araújo disse, ainda, não perceber “o que email andou a fazer perdido por lá (DCIAP), nos servidores, para só aparecer” naquele dia.

O advogado de José Sócrates terá falado, também, com o diretor do DCIAP, Amadeu Guerra, que, segundo João Araújo, lhe assegurou que enviaria uma SMS ao procurador titular do processo, Rosário Teixeira, a reforçar a vontade expressa pelo ex-primeiro-ministro.

Todavia, o mandado de detenção de José Sócrates foi assinado pelo juiz Carlos Alexandre a 19 de novembro, dois dias antes do email enviado por João Araújo. Antes do regresso de Sócrates ao país, tinham sido detidos, também, o motorista do antigo secretário-geral do Partido Socialista, João Perna, e o alegado testa-de-ferro do antigo governante, Carlos Santos Silva, pelo que, mesmo que tivesse chegado no tempo desejado, o requerimento poderia não ter efeitos práticos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Com a apresentação voluntária de José Sócrates às autoridades, a defesa queria provar não só que o ex-primeiro-ministro estaria disposto a colaborar com a investigação, mas também que não tinha intenção de escapar do país. Ou seja, refutar os argumentos de perigo de fuga e possibilidade de perturbação do inquérito – fundamentos mais tarde usados para justificar a medida de coação aplicada a Sócrates de prisão preventiva.

Ainda assim, tal não terá convencido as autoridades, que acreditavam – baseando-se nas escutas que duravam desde finais de 2013 – que José Sócrates pretendia destruir provas fundamentais para a acusação na noite em que regressou de Paris. O antigo governante, pouco antes de ser detido, mandou retirar da sua casa vários aparelhos eletrónicos, inclusivamente, um computador portátil, cujo paradeiro só revelou dois dias depois de ter sido iniciado o interrogatório.

A Procuradoria-Geral da República (PGR), contactada pelo Público, não confirmou a existência deste pedido da defesa de José Sócrates. “A matéria e os elementos constantes no processo que referem encontram-se em segredo de Justiça”, respondeu o gabinete de comunicação da PGR.