Caso José Sócrates

Sócrates pediu para ser ouvido, horas antes da detenção

105

Antes de ser detido, José Sócrates fez saber às autoridades que estava disponível para colaborar com a investigação. A defesa do ex-primeiro-ministro pretendia, assim, evitar a sua detenção.

José Sócrates queria provar que estava disposto a colaborar com a investigação

PAULO CARRIÇO/LUSA

Autor
  • Miguel Santos Carrapatoso

O antigo primeiro-ministro, José Sócrates, pediu para ser ouvido pelas autoridades poucas horas antes de ser detido no aeroporto de Lisboa, na noite de 21 de novembro, de acordo com o Público e o Correio da Manhã. A defesa do ex-primeiro-ministro pretendia provar que Sócrates estava disponível para colaborar com as autoridades e, assim, evitar a sua detenção, adiantam os jornais.

O requerimento foi enviado, por email, pelo advogado João Araújo para o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), às 15h09, mas só terá chegado “no dia 25 pelas 16 horas”, explicou o advogado em declarações ao mesmo jornal. João Araújo disse, ainda, não perceber “o que email andou a fazer perdido por lá (DCIAP), nos servidores, para só aparecer” naquele dia.

O advogado de José Sócrates terá falado, também, com o diretor do DCIAP, Amadeu Guerra, que, segundo João Araújo, lhe assegurou que enviaria uma SMS ao procurador titular do processo, Rosário Teixeira, a reforçar a vontade expressa pelo ex-primeiro-ministro.

Todavia, o mandado de detenção de José Sócrates foi assinado pelo juiz Carlos Alexandre a 19 de novembro, dois dias antes do email enviado por João Araújo. Antes do regresso de Sócrates ao país, tinham sido detidos, também, o motorista do antigo secretário-geral do Partido Socialista, João Perna, e o alegado testa-de-ferro do antigo governante, Carlos Santos Silva, pelo que, mesmo que tivesse chegado no tempo desejado, o requerimento poderia não ter efeitos práticos.

Com a apresentação voluntária de José Sócrates às autoridades, a defesa queria provar não só que o ex-primeiro-ministro estaria disposto a colaborar com a investigação, mas também que não tinha intenção de escapar do país. Ou seja, refutar os argumentos de perigo de fuga e possibilidade de perturbação do inquérito – fundamentos mais tarde usados para justificar a medida de coação aplicada a Sócrates de prisão preventiva.

Ainda assim, tal não terá convencido as autoridades, que acreditavam – baseando-se nas escutas que duravam desde finais de 2013 – que José Sócrates pretendia destruir provas fundamentais para a acusação na noite em que regressou de Paris. O antigo governante, pouco antes de ser detido, mandou retirar da sua casa vários aparelhos eletrónicos, inclusivamente, um computador portátil, cujo paradeiro só revelou dois dias depois de ter sido iniciado o interrogatório.

A Procuradoria-Geral da República (PGR), contactada pelo Público, não confirmou a existência deste pedido da defesa de José Sócrates. “A matéria e os elementos constantes no processo que referem encontram-se em segredo de Justiça”, respondeu o gabinete de comunicação da PGR.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)