458kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Sondagens: Costa e Seguro, duas faces da mesma moeda?

Este artigo tem mais de 5 anos

António Costa recuperou nas sondagens, mas pouco. Está agora ao nível de Seguro antes das europeias. Há quem esteja preocupado com a recuperação da maioria PSD/CDS.

Costa ainda não ultrapassou os números das sondagens de Seguro
i

Costa ainda não ultrapassou os números das sondagens de Seguro

AFP/Getty Images

Costa ainda não ultrapassou os números das sondagens de Seguro

AFP/Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Janeiro de 2014: António José Seguro era líder do PS e os socialistas dominavam as sondagens com vantagens entre 8 e 13 pontos sobre o PSD. Janeiro de 2015: António Costa é líder do PS e domina as sondagens com vantagem para o PSD entre 6 e 11 pontos. A diferença é que Seguro à data era líder do partido há 26 meses, enquanto Costa o é há dois meses, mas, mesmo assim, os socialistas começam a olhar para a curva dos números com preocupação. Costa já recuperou nas intenções de voto depois da crise da liderança, mas o PSD também está mais perto.

Olhando para a evolução dos últimos meses, das sondagens da Eurosondagem e da Aximage, o PS está agora ao mesmo nível que estava antes das eleições europeias. Ou seja, com António José Seguro na liderança e ainda sem António Costa se ter disponibilizado para ser secretário-geral socialista.


Infografia: Milton Cappelletti

Pedro Magalhães, do Instituto de Ciências Sociais (ICS), diz que “a leitura que tem de se fazer dos resultados do PS é com a crise da liderança. O PS sofreu bastante nas intenções de voto, imediatamente a seguir à escolha de António Costa, volta a subir”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mas quando a questão que se coloca é se não era suposto António Costa descolar mais rápido do PSD depois da mudança de liderança, o especialista em sondagens lembra, por exemplo, o caso das sondagens durante os governos de José Sócrates: “O PSD mudou várias vezes de líder. A mudança de líder levou a uma recuperação nas intenções de voto, mas depende muito a intensidade dessa recuperação.” O que pode estar a acontecer agora, a intensidade ser menor.

Mas na leitura dos números – pelo menos nos últimos – não é só o facto de o PS não subir tanto quanto os socialistas esperavam, há também o facto de o PSD subir, mesmo que ligeiramente, o que reduz assim a diferença e mostra um menor desgaste do atual Governo do que era esperado. Pedro Magalhães dá o exemplo do que aconteceu antes das eleições legislativas de 2011 em que a explicação para a subida abrupta do PSD se podia dever não só ao líder social-democrata como ao Governo de José Sócrates: “O PSD só arrancou nas intenções de voto com Pedro Passos Coelho. Só não se pode dizer se isso se deve a Passos Coelho se ao desgaste do PS”.

Nas intenções de voto, o especialista nota ainda três coisas:

1. PSD e CDS ganham mais, tendo em conta o sistema eleitoral, se forem coligados: “Do ponto de vista aritmético é sempre mais vantajoso irem coligados”, mas avisa os partidos que não podem olhar para estes números das sondagens e “somá-los” porque as perguntas feitas aos inquiridos não pressupunha a possibilidade de uma coligação e isso altera as percentagens.

2. CDS não mexe desde a crise do verão de 2013, rondando os 7%

3. Com a chegada de António Costa à liderança do PS, CDU (coligação PCP e Verdes) e o BE descem nas intenções de voto. Costa estar a roubar votos à esquerda “é uma leitura possível”, mas Magalhães avança com outra explicação. No caso do PCP, que tem um eleitorado com uma identificação mais forte, este pode estar a descer por haver mais pessoas que agora digam que vão votar no PS e que antes respondiam que não votavam. Percentualmente, a passagem de “não votante” à escolha em votar num partido específico prejudica os comunistas.

A última sondagem deste mês de janeiro, na verdade, fez soar as campainhas no Rato. A sondagem da Eurosondagem publicada pelo Expresso e SIC (link para assinantes), que dá uma aproximação da maioria ao PS de Costa, foi motivo de conversa entre vários socialistas. A estratégia de António Costa de pouco falar sobre assuntos de atualidade começou a preocupar os socialistas e alguns deputados chegaram a falar do assunto numa reunião do grupo parlamentar. Mas no entanto, esta semana, o secretário-geral do PS optou por uma agenda pública mais intensa e pronunciou-se sobre vários assuntos. Primeiro, na conferência “Melhor Estado, Mais Democracia”, no Porto começou por defender a regionalização, depois, falou do nome de António Vitorino para as eleições presidenciais de 2016, já em Lisboa, assunto que retomou na entrevista que deu à SIC. Nestes dias, falou ainda da falta de visão estratégia do Governo por causa da TAP, da decisão do BCE e por fim deixou quatro propostas para o setor da saúde por causa do caos nos hospitais.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.