Contrariando o ceticismo de muitos investidores que falaram na morte da Apple quando assumiu a liderança da Apple, Tim Cook está a dar cartas. E, como diria Cristiano Ronaldo, as estatísticas falam por si. Só durante a época de natal de 2014, a Apple registou lucros de 15.800 milhões de euros, o que representa um aumento de 37,4% face ao mesmo período no ano anterior, conta o El País, nesta quarta-feira.

E os resultados surpreendentes não acabam por aqui. Durante o último trimestre de 2014, a Apple lucrou 74.600 milhões de euros, principalmente devido às vendas do novo iPhone 6, que viu a China abrir o seu mercado para o aparelho.

A procura pelo iPhone 6 é tanta que, em três meses, a Apple lucrou 51.000 milhões de euros só com este produto, 21% mais do que os lucros combinados das rivais Google e Microsoft em todos os seus produtos, para o mesmo período. Foram vendidos 74.5 milhões de telemóveis, mais 46% do que no mesmo período do ano passado.

Estes resultados correspondem ao primeiro trimestre do ano fiscal da Apple, que arrancou em setembro – o primeiro que inclui as vendas do novo iPhone 6 também. “O volume de vendas do iPhone é difícil de compreender… 34.000 telemóveis foram vendidos por hora, em cada dia deste trimestre”, afirmou Tim Cook.

“Incríveis” foi o único adjetivo que Tim Cook precisou de utilizar para qualificar estes resultados, quando falava aos analistas da bolsa Wall Street. Cook também revelou que a margem de lucro da empresa está entre os 38,5% e 39,5%. Este nível de rendimento “é simplesmente fenomenal”, confessou.

A publicação das contas da Apple coincidiu com o quinto aniversário do lançamento do iPad. Só houve uma má notícia vinda de Tim Cook para os analista de Wall Street: as vendas do tablet da Apple, o iPad, caíram para 21,4 milhões de unidades. Não só o mercado de tablets está saturado, neste momento, pela quantidade de fabricantes, como o investimento de várias marcas em telemóveis com ecrãs maiores – os chamados phablets – está a atrair cada vez mais consumidores, lembra o El País.