Rádio Observador

Restaurantes

Sete coisas que precisa de saber sobre a nova taberna japonesa de Campo de Ourique

3.478

Come-se ao balcão, bebe-se cerveja em latas XL e há espetadas sempre a sair da grelha, mas também sushi num espaço requintado. Conheça a nova taberna japonesa de Campo de Ourique, Hikidashi.

© André Correia

1. Come-se ao balcão

Onze metros, 22 cadeiras. Tudo o que acontece no Hikidashi, acontece num longo balcão de madeira. Por isso o restaurante é apresentado como uma taberna japonesa, onde o cliente vê aquilo que é preparado e não corre o risco de dar pontapés por baixo da mesa. Para jantares de grupo, há duas soluções que não implicam ter o amigo da ponta a perguntar quem é o Gervásio e porque é que vai para o Havai, quando o que se disse foi que o PT do ginásio vai ser pai: a cabeceira do balcão, que dá para oito pessoas, viradas umas para as outras, e uma mesa elevada à parte, à entrada, com mais oito lugares.

2. Há mais do que peixe cru

Restaurante Japonês, Cozinha japonesa, hikidashi, taberna japonesa,

Em japonês, “hikidashi” quer dizer gaveta mas também “coisas no fogo”. Foi o nome escolhido para o restaurante porque há muito mais do que peixe cru na ementa. Há uma grelha japonesa, a que se dá o nome de “robata”, que se acende com carvão cubano aromatizado com ervas. Em cima das brasas fazem-se espetadas de tudo um pouco: frango, carne, espargos, vieiras, camarão tigre ou beringela. Todas servidas em pequenas porções, para petiscar. “Uma pessoa com 20 ou 30 euros consegue provar várias coisas”, diz o chef, Agnaldo Ferreira.

3. O chef percebe do assunto

Hikidashi23

Com 34 anos, Agnaldo é um dos quatro sócios do restaurante e apesar da idade já tem um longo currículo na área: é chef de cozinha japonesa há 16 anos. Começou em São Paulo e depois veio para Portugal, onde trabalhou cinco anos no restaurante Estado Líquido e quatro no Yakuza.

4. O restaurante é também mercearia

Restaurante Japonês, Cozinha japonesa, hikidashi, taberna japonesa,

Depois de comer, pode tentar replicar o que viu o chef fazer em casa, mas para isso convém abastecer a despensa. Em prateleiras penduradas na parede estão os ingredientes que se podem comprar, como numa loja: algas, arroz, cerveja, vinagre e farinha de tempura, tudo japonês.

5. As bebidas dão para dividir

Restaurante Japonês, Cozinha japonesa, hikidashi, taberna japonesa,

Para além do tradicional saké, há três variedades de cerveja japonesa no restaurante, vizinho da Casa Fernando Pessoa, em Lisboa: a Asahi, em garrafa, a Kirin, à pressão, e a Sapporo, servida em latas de 650 ml que põem as canecas a um canto.

6. As facas cortam todo o peixe como se fosse manteiga

Hikidashi09

Todo o sushi é preparado com facas artesanais japonesas porque, segundo o chef, “têm mais precisão no corte”.

7. Os pratos vêm com instruções (ou quase)

Restaurante Japonês, Cozinha japonesa, hikidashi, taberna japonesa,

Quando servem os pratos, os funcionários do Hikidashi dão algumas indicações. No caso do tártaro de salmão ou de atum (12€), por exemplo, servido com um ovo de codorniz por cima, deve-se misturar tudo no molho que vem no fundo. Se quiser acordar a parte do fundo da língua, passe os pedacinhos de peixe no rebordo do prato, onde está um óleo de sésamo picante.

Nome: Hikidashi
Morada:
Rua Coelho da Rocha, 20 A (Campo de Ourique, Lisboa)
Telefone: 21 395 5555
Horário: Terça a domingo. 12.30-15.00; 20.00-00.00
Preço médio: 30€ por pessoa

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: adferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)