Rádio Observador

Arménia

Leo tem Síndrome de Down. O pai quis ficar com ele. A mãe não

9.676

Na Arménia, quando as mães dão à luz um bebé deficiente podem optar por não levá-lo para casa. Foi o que fez a mãe de Leo. Quando o pai disse que o queria guardar, ela divorciou-se.

O pai de Leo criou um fundo solidário para ficar com ele no primeiro ano de vida sem trabalhar

Naquele dia 21 de janeiro, já este ano, ele viu o seu bebé acabado de nascer ser levado para uma sala. Seguiu os passos dos médicos e enfermeiros, mas a porta fechou-se à sua frente. Eles saíram pouco depois: “o seu filho tem um problema”, comunicaram-lhe. Samuel Forrest não via qual. Aquele pequeno ser “era perfeito”. Mas não para a mulher dele, que acabara de dar à luz. Ao pequeno Leo foi detetada Síndrome de Down e foi dada a opção aos pais de o levarem para casa ou de o entregarem a um orfanato. A mãe recusou-o. O pai impediu que o próprio filho fosse um dos 98% com o mesmo problema que acaba abandonado na Arménia. A decisão valeu-lhe o divórcio.

Samuel Forrest, natural da Nova Zelândia, estava casado com uma cidadã arménia. E desconhecia o que dita a lei naquele país: em caso de deficiência mental ou física, os pais podem colocar os filhos numa instituição. Os dados apontam para que 98% das crianças a quem é diagnosticada Síndrome de Down naquele país sejam abandonadas pelos pais.

Abandono foi a palavra, e ação, que Samuel recusou. Em entrevista à ABC explicou que nem a sua opinião foi tida em conta na hora de decidir. Quando os médicos lhe disseram que o filho recém-nascido tinha um “problema”, ele correu de imediato para junto de mulher. Levou o filho nos braços. Ela disse-lhe que não queria a criança. Ele respondeu que queria. Ela pediu-lhe o divórcio.

Fez logo um ultimato. Disse que se eu ficasse com a criança, se divorciava”, disse Samuel à ABC.

Samuel não cedeu à mulher. A paternidade falou muito mais alto.

Consciente de que uma criança com necessidades especiais implica trabalho adicional, Samuel está decidido a voltar para o seu país natal, onde tem familiares e amigos, para criar o filho. Trabalhador da construção civil, Samuel tem agora um fundo, através de uma página da internet, que conta com a solidariedade de cada um. A ideia é conseguir dinheiro para criar o filho durante o seu primeiro ano de vida sem que ele trabalhe. Quer dedicar-se a 100%.

Esta sexta-feira o Fundo contava já com mais de 188 mil dólares, ou seja mais de 165 mil euros. Os testemunhos de apoio multiplicam-se. O siteBringleohome” refere que, além da educação de Leo, o dinheiro também deverá ser usado em programas de ajuda a pais que queiram fazer o mesmo que Samuel na Arménia.

A síndrome de Down é uma alteração cromossómica que provoca atraso mental e anomalias físicas. Dá-se o nome de trissomia à presença de um cromossoma adicional que se junta a um par de cromossomas. A trissomia mais frequente num recém-nascido é a trissomia 21, embora se possam produzir outras.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt
Arménia

Arménios não querem “putinismo” no seu país

José Milhazes

A crise política na Arménia está longe do fim, mas já se pode tirar uma conclusão: os cidadãos desse país da Transcaucásia disseram não à rotatividade política copiada da Rússia pelos seus dirigentes.

Política

A sobrevivência do socialismo /premium

André Abrantes Amaral

O socialismo é a protecção de um sector contra os que ficam de fora. O desejo de ordem e a desresponsabilização é natural entre os que querem segurança a todo o custo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)