Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Banco de Portugal validou 15 das 17 entidades que entregaram manifestações de interesse no Novo Banco. Os candidatos que passaram à segura fase têm até dia 20 de março para apresentarem propostas não vinculativas à compra no Novo Banco. Mas primeiro devem assinar um acordo de confidencialidade.

A identidade dos interessados não foi anunciada, mas é conhecido o interesse do BPI, bancos espanhóis como o Santander e o Popular, dos chineses da Fosun e do fundo Apollo. Na lista dos pré-qualificados estarão ainda outros fundos de investimento e instituições financeiras chinesas. Neste segunda fase, os candidatos terão de entregar já uma oferta com um preço indicativo e fundamentada, a partir do qual serão selecionados os grupos que passam à fase das propostas vinculativas. O objetivo é fechar a venda do Novo Banco ainda no final do primeiro semestre.

Segundo o comentador político, Marques Mendes, as ofertas poderão valorizar o Novo Banco entre 3,5 mil e 4,5 mil milhões de euros. O Novo Banco foi capitalizado com 4900 milhões de euros, dos quais 3900 milhões de euros resultaram de um empréstimo do Estado. Esta verba deverá ser reembolsada pelo Fundo de Resolução até ao verão de 2016. Se o valor da venda não foi suficiente, todo o sistema bancário será chamado a assumir a diferença.

No seu comentário na SIC, sábado à noite, Marques Mendes, adiantou que deverão passar à fase final cinco a seis concorrentes. O convite foi acompanhado do caderno de encargos que estabelece o procedimento a seguir na fase de propostas não-vinculativas, conhecida como fase II, e de um “Memorando Informativo” contendo informação sobre o Novo Banco.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Nas próximas semanas deverão ser conhecidas as contas de 2014 do banco liderado por Eduardo Stock da Cunha. Na sua audição na comissão parlamentar de inquérito ao BES, o presidente do Novo Banco revelou apenas que a instituição conseguiu recuperar 4000 milhões de euros em depósitos, tendo estabilizado as necessidades de liquidez. A rentabilidade e o fortalecimento dos rácios de capital, são agora as prioridades, do banco que ficou com os ativos saudáveis do Banco Espírito Santo.

A primeira fase de venda arrancou no ano passado com a recolha de indicações de interesse, processo que terminou no último dia de 2014. Em comunicado o BdP, explica que procedeu “à verificação do cumprimento dos requisitos de pré-qualificação por parte de cada uma daquelas entidades, tendo oportunamente determinado que aqueles requisitos se encontravam cumpridos no caso de 15 entidades.”