O conceito da marca Tanya Heath é inovador e ao mesmo tempo simples: cada modelo de sapatos permite tirar e pôr saltos com diferentes alturas e estilos, de forma rápida e indolor – através de um botão na sola.

“É um conceito novo que deixa as pessoas curiosas e confusas no início. Algumas têm até receio de ir na rua e o salto falhar e assim poderem cair. Depois de experimentarem, percebem que são bastante seguros, confortáveis e práticos”, conta ao Observador a representante da marca em Portugal, Paula Andrade.

Existem quatro tipos de saltos com alturas entre os 4,5 e os 8,5 centímetros. Às riscas, com padrões, neutros, com brilhos — são cerca de 100 as cores e materiais de saltos que garantem estilos variados e que dificultam a escolha das clientes na altura da compra, como dá conta Paula Andrade: “Escolher os sapatos é mais fácil. Optar pelos saltos é muito complicado. Na loja, cada mulher demora, em média, cerca de 45 a 60 minutos a escolher dois pares de saltos.”

A acompanhar os modelos vêm sacos que facilitam a arrumação dos saltos na mala. Maria Mesquita, advogada, é uma das clientes que se deixou cativar pela “versatilidade e harmonia cromática” deste produto. Descreve-o como sendo o “sonho de consumo feminino”. Até agora tem um par de sapatos, um par de botas de cano alto e sete pares de saltos — brancos, dourados, roxos, lilases, cor de rosa, vermelhos e pretos de camurça.

“Sem dúvida que é uma mais-valia para mim e penso que para qualquer mulher. Isto porque tenho uma vida muito ativa — por vezes tenho que sair de casa com a mesma [roupa e sapatos] com que trabalho, depois ir às compras e sair à noite para ir a uma conferência ou a um jantar. O facto de poder trocar os saltos e a altura garante-me conforto ao longo do dia e a adequação necessária às várias atividades.”

Em Portugal, os preços dos sapatos variam entre os 350 e os 500 euros, e os valores dos saltos começam nos 25 e podem chegar aos 75 euros.

5 fotos

Tanya Heath é canadiana e chegou a ser selecionada pelos investidores do programa canadiano Dragons’Den, equivalente ao americano Shark Tank. Recusou a proposta que lhe fizeram e abriu por conta própria a primeira loja em Paris. A crescente aceitação do conceito fez com que abrisse outras, chegando em 2014 a Portugal, à Rua Miguel Bombarda, no Porto.

Pela originalidade do espaço físico, em novembro último a loja portuense foi nomeada, juntamente com a de Paris, para a final dos Mapic Awards, uma competição internacional no setor imobiliário de retalho internacional, na categoria de “Best new retail concept”.

Como por cá o sucesso tem vindo também a caminhar de forma confortável, em breve a marca abrirá uma loja em Lisboa.