Uma loja online chamada Koppie Koppie está a vender canecas com fotografias de crianças retiradas da internet. É um negócio, um desafio e um alerta, feito precisamente por um dos empreendedores da empresa, através do Medium. Dimitri Tokmetzis explica em detalhe as razões que o levaram a avançar com esta ideia: a quantidade gigantesca de fotografias de crianças partilhadas na internet, a esmagadora maioria pelos próprios pais, sem que estes tenham o cuidado de proteger os direitos de reutilização.

Dimitri Tokmetzis, que é também jornalista no holandês de Correspondent, analisou em profundidade a política de privacidade dos principais websites de partilha de ficheiros, nomeadamente no Facebook, Google e Flickr. Já aqui explicámos que tudo o que enviamos para e pela internet deixa de estar sob o nosso controlo, que é uma ilusão expressa nas letras pequenas das páginas de política de privacidade, que reservam os direitos de utilização e venda dos conteúdos que partilhamos.

Isto pode parecer a apropriação indevida de conteúdos (no caso, de fotografias), mas quase nunca o é. A moralidade também tem pouca importância, faz parte do contrato que assinamos quando clicamos (sem ler) em “concordo com a política de privacidade” de determinada página ou plataforma no momento de subscrever uma conta gratuita. Os dados que enviamos e partilhamos uns com os outros são verificados e passam a fazer parte das empresas que nos prestam serviço, gratuito.

Então o que deve fazer para proteger as fotografias das suas crianças? O mais seguro é, evidentemente, não partilhar. Tudo o que cai na grande rede fica lá para sempre, mesmo que tente desfazer (apagar) o ato de “publicar” no momento imediatamente a seguir. Nas plataformas que aceitam a Creative Commons (sistema internacional que permite regular os direitos de utilização de conteúdos) como o popular Flickr, tenha o cuidado de ativar as restrições de utilização por terceiros. A Koppie Koppie, por exemplo, apropria-se de todas as fotografias que estejam rotuladas com permissão de uso comercial, no Flickr e na pesquisa de imagens do Google.

ScreenShot_CC3.0

Exemplo de uma licença Creative Commons.

 

Mas mesmo que tranque todas as portas, ninguém lhe garante que a foto que partilhou no Facebook não esteja agora impressa numa caneca algures do outro lado do mundo. É o preço a pagar pela oportunidade de partilhar.