Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A TAP faz 7o anos sábado, 14 de março, por isso o Observador viajou por entre as nuvens de pó e descobriu os aviões que têm composto a frota da companhia aérea portuguesa. Tudo começou em outubro de 1945, quando Humberto Delgado, o então diretor do Secretariado da Aeronáutica Civil, adquiriu as primeiras máquinas: dois DC-3 Dakota com capacidade para 21 passageiros. Os voos inaugurais fizeram Lisboa e Madrid dar as mãos. A segunda rota teria outro salero: Lisboa-Lourenço Marques (atual Maputo, Moçambique) era uma epopeia que se desenrolava a muitos metros do chão e que se dividia em 12 escalas durante 15 dias (ida e volta). Vale a pena lembrar que falamos de 24.540 quilómetros na longínqua década de 40…

Seguiram-se as rotas para Paris (1948), Sevilha (1948) e Londres (1949) e muitos outros tipos de aviões, que galopavam e galopam ainda hoje os céus de países, oceanos e terras de ninguém. Hoje em dia, por exemplo, a TAP opera cerca de 296 voos por dia, dispondo de uma frota de 77 aviões: 61 aeronaves de modelo Airbus, mais 16 aeronaves que operam com as cores da Portugália Airlines. Ao todo são 88 rotas que encurtam distâncias entre 38 países.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR