As bonecas Bratz, de olhar sedutor e postura provocadora, têm novas concorrentes que em nada se assemelham à sua atitude sensual. São bonecas modificadas, com olhar menos lânguido e com posições mais inocentes. A obra é da madre australiana Sonia Singh, que decidiu reabilitar as bonecas e dar-lhes um estilo “mais sensato”, conforme explica na sua página de Tumblr “Tree Change Dolls”. A história é contada no El País.

A madre começou a colocar fotografias na rede social em meados de janeiro e, ao fim de alguns dias, as bonecas já eram virais. Sonia chegou a vender 20 bonecas em oito segundos e fez um negócio de 1334 euros no Dia da Mulher, a 8 de março. A ideia foi de tal modo bem aceite que teve de parar de aceitar encomendas.

As cândidas bonecas de Sonia Singh reabrem um debate sobre a hiperssexualização dos produtos para meninas. Barbie e Monster High são outras coleções que foram modificadas para se assemelharem mais à vida real. E fizeram tanto sucesso que a Lamm começou a fabricá-las, arrecadando até 1,3 milhões de euros.

A explicação chega pela voz da pedagoga María Costa, do Instituto Tecnológico do Jogo: as meninas só querem brincar com coisas que sejam diferentes. “Não há mal nenhum em brincar com bonecas maquilhadas, o problema começa quando se brinca apenas com isso”. É que a sexualidade existe apenas nos olhos adultos: as crianças vêm apenas bonecas parecidas com mulheres.

Para María Costa, as Tree Change Dolls respondem mais aos desejos dos pais do que dos próprios filhos e estão de acordo com as tendências sociológicas de active parenting – quando os pais se envolvem na busca de valores alternativos – e no mumpreneurs — mães cujos hobbies têm como cerne as crianças.

Também há críticas. “Lavar a cara a uma Bratz em prol do realismo é como cortar o corno a um unicórnio”, pode ler-se em alguns blogs feministas.

Para conhecer o trabalho da artista, visite o seu blog ou encontre-a na rede social Facebook. Pode aceder à loja online onde se encontram as bonecas aqui. “Tree Change Dolls” apoia a International Womens Development Agency.