É encarada como mais uma ameaça a Carlos Alexandre, “Bart”, o cão do juiz, foi envenenado e acabou por morrer na semana passada.

As primeiras ameaças ao único juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC) que acumula os processos criminais mais mediáticos, surgiram em 2005. Nessa altura, invadiram-lhe a casa no concelho de Oeiras e uma pistola apareceu pousada em cima da fotografia dos filhos. Não levaram nada, apenas remexeram alguns papéis. Depois, foi a tentativa de atropelamento da mulher nas imediações do emprego. A partir dessa altura, Carlos Alexandre passou a ser acompanhado por seguranças pessoais da Polícia de Segurança Pública (PSP) e equacionou-se em dezembro de 2014, a extensão da proteção à família mais próxima, afirma o Público.

O episódio mais recente de ameaças ao responsável pelo caso Monte Branco, Vistos Gold, Operação Furacão ou Operação Marquês, foi o envenenamento de “Bart”, o cão que lhe tinha sido oferecido pelo procurador João Melo. O animal morreu envenenado com veneno de ratos que se suspeita tenha sido atirado para o quintal da casa de Carlos Alexandre misturado com um alimento, afirma a revista Sábado. Após ter sofrido durante algumas semanas, o animal acabou por morrer na semana passada.