Rádio Observador

País

Raelianos querem Embaixada Extraterrestre em Portugal

2.848

O projeto, da autoria do arquiteto Marco Antunes, foi enviado oficialmente ao Governo português esta terça-feira. Apresentação pública será feita este sábado, em Lisboa.

Claude Vorilhon, fundador do Movimento Raeliano

AFP/Getty Images

Representantes do Movimento Raeliano Internacional (MRI) enviaram esta terça-feira ao Governo português um documento com o projeto de construção de uma embaixada extraterrestre, que será apresentado publicamente este sábado no Hotel Tivoli, em Lisboa, entre as 15h e as 19h30.

Marco Antunes, do MRI em Portugal e autor do projeto arquitetónico, confirmou ao Observador que o documento foi enviado por carta ao Ministério dos Negócios e ao Ministério do Ambiente e Ordenamento do Território, em nome de Rui Machete e de Jorge Moreira da Silva, respetivamente.

O arquiteto explicou que, juntamente com o documento, foi também enviada uma carta assinada por Daniel Turcotte, agente diplomático do MRI para o Projeto da Embaixada Extraterrestre, sediado no Canadá, que explica para que servirá o edifício e quais o seus benefícios para o país.

Para a concretização do projeto, o MRI necessita de um terreno com uma área de aproximadamente quatro quilómetros quadrados, que poderá ser doado ou comprado pelo movimento. Outros pedidos incluem direitos de extraterritorialidade mais amplos e uma zona de restrição aérea pré-estabelecida em seu redor, como surge referido num comunicado divulgado pelos raelianos.

Turcotte explicou numa nota de imprensa que o edifício servirá para acolher uma civilização extraterrestre que irá regressar à Terra. “Os governos em todo o mundo sabem que uma civilização extraterrestre tem vindo a estabelecer contacto há já algum tempo”, disse Turcotte.

Estes extraterrestres têm vindo gradualmente a preparar a humanidade para um contacto aberto. É tempo de o assumirmos e de construirmos uma embaixada para os receber oficialmente, em nome da humanidade”, acrescentou.

Portugal é um dos quatro países candidatos a receber a Embaixada Extraterrestre, cuja construção deverá ser concluída num prazo de 10 a 15 anos. Os Estados Unidos da América, França e Perú já avançaram também com um pedido de aprovação para a construção do edifício. Mas, para os raelianos, o local ideal para receber a embaixada seria Israel, devido à sua ligação com os Elohim, a raça extraterrestre que terá dado origem à vida na Terra.

De acordo com Marco Antunes, já foram feitas várias propostas diretamente aos rabis de Israel, mas foram todas recusadas. “Mesmo que a proposta seja aprovada por um destes países, será sempre dada uma última hipótese a Israel”, afirmou.

O Movimento Raeliano foi criado por Claude Vorilhon, um antigo jornalista desportivo francês. Vorilhon, mais conhecido pelo nome de Rael, acredita ter sido contactado por extraterrestres, que lhe terão passado conhecimentos sobre a origem do homem.

Os raelianos acreditam que os seres humanos foram criados cientificamente a partir da clonagem de uma raça extraterrestre conhecida por Elohim, que surge referida na Bíblia. O movimento, criado em 1973, existe atualmente em mais de 70 países e tem cerca de 80 mil seguidores.

Documentos

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)