Rádio Observador

Mundo

Menor com 13 anos mata professor com uma besta, num instituto em Barcelona

Um professor foi morto e quatro pessoas ficaram feridas após um menor com 13 anos ter disparado uma besta na escola Joan Fuster, no bairro de La Sagrera, em Barcelona (Espanha).

Um professor morreu e pelo menos quatro pessoas ficaram feridas após um menor com 13 anos ter disparado uma besta na escola Joan Fuster em Barcelona, Espanha, segundo as autoridades espanholas, escreve o jornal El País. O ataque ocorreu por volta das 9h15 da manhã desta segunda-feira perto da Avenida Meridiana de Barcelona, no bairro de La Sagrera.

Segundo testemunhas presenciais, o menor terá chegado à escola para uma aula por volta das 9h00 desta segunda-feira, uma hora mais tarde do que o habitual. De seguida, ter-se-á dirigido diretamente para a sala de aula. Quando a professora lhe abriu a porta, o agressor terá disparado a besta para perto da cara. Logo de seguida disparou contra a sua filha, também aluna no instituto. O professor da aula que decorria na sala ao lado, apercebendo-se do ataque, dirigiu-se ao local na tentativa de o parar. Nesse momento, o agressor disparou também contra o peito do professor, conta o jornal El Mundo.

O professor, que seria um substituto [há poucas semanas na escola], morreu pouco depois.

O agressor dirigiu-se de seguida para outra sala de aula, onde ameaçou um aluno com uma faca. Perante o sucedido, os restantes professores fecharam os alunos nas respetivas salas de aula. Pouco depois, o professor de Educação Física encontrou-o no corredor a preparar uma bomba de gasolina. “Eu oiço vozes. Quero parar todas as vozes”, terá dito o jovem de acordo com o professor de Educação Física que o acalmou enquanto a polícia não chegava. O professor tinha conhecimento de que o agressor estava a passar dificuldades pessoais, escreve o jornal inglês The Guardian.

Um outro professor da escola, que não quis ser identificado, afirmou que o rapaz de 13 anos era “bastante amigável para com os professores” e que nunca apresentou nenhum comportamento “desviante”.

O autor do ataque, de 13 anos, é inimputável e não está detido pelas autoridades, informou um porta-voz da polícia autonómica da Catalunha, segundo a agência Lusa. O jovem foi identificado e permanece sob custódia no interior do estabelecimento escolar. Os protocolos policiais aplicados ao jovem estão a seguir a Lei da Criança.

O liceu foi evacuado e os alunos concentraram-se na praça Ferran Reyes, no bairro de La Sagrera de Barcelona. Segundo a agência EFE, alguns alunos foram atendidos pelos Serviços de Emergências Médicas devido a crises de ansiedade. Os três feridos foram levados para um hospital mas não apresentam ferimentos graves.

A diretora da escola, Dolors Perramon, e o ministro da Educação catalão expressaram o seu “profundo pesar” para com o incidente. Na terça-feira as aulas da escola Joan Fuster serão substituídas por aconselhamento.

Os alunos que testemunharam ou dizem ter testemunhado os acontecimentos têm vindo a dar informações a partir da praça Ferran Reyes utilizando os telemóveis. Alguns deles, companheiros de sala do jovem que atacou a escola, afirmaram que este teria repetido várias vezes na semana passada que iria matar todos os professores da escola e que se suicidaria em seguida.

Aluno levava na mochila ingredientes para fazer Cocktail Molotov

O El País avançou que descobriram na mochila do aluno material para fazer um Cocktail Molotov, arma explosiva que é uma garrafa que contém substâncias inflamáveis.

O menor foi levado para a unidade psiquiátrica de um hospital de Barcelona e, de acordo com a conselheira da educação catalã, Irene Rigau, assegura que os primeiros indícios apontam para um ataque psicótico.

O Governo catalão decretou luto esta terça-feira, dia 21 de abril, pela morte da professora. Entretanto a professora atingida pela besta já teve alta no Hospital Sant Pau, em Barcelona, pela 16:15.

 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)