Rádio Observador

Justiça

Proibido uso de drone na final da Taça de Portugal

Comissão de Proteção de Dados chumbou utilização de drone na final da Taça de Portugal. Já o inquérito sobre o uso de drones há um ano, na Liga dos Campeões, foi arquivado pelo Ministério Público.

Ao contrário da CNPD, o Ministério Público considera que os drones "não permitem efectuar a extracção de imagens de indivíduos" e que são de "grande utilidade"

Getty Images

 

A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) emitiu, esta sexta-feira, um parecer negativo ao uso de uma câmara de filmar acoplada a um ‘drone’ na operação de segurança preparada pela Polícia de Segurança Pública (PSP) para a final da Taça de Portugal, no próximo domingo, às 17h15, no Estádio Nacional, no Jamor.

O Ministério da Administração Interna (MAI) tinha enviado, na segunda-feira, um pedido à CNPD para que emitisse um parecer sobre a utilização, pela PSP, de um drone, na final da Taça de Portugal, entre o Sporting Clube de Portugal e o Sporting Clube de Braga. E, na quinta-feira, em conferência de imprensa, a PSP assegurou que só recorreria à utilização do drone caso a CNPD desse parecer positivo. Se o parecer não chegasse a tempo ou se o mesmo fosse negativo, a polícia garantiu que não utilizaria aquele meio. A decisão da Comissão foi difundida esta sexta-feira. E é negativa.

Na ausência de lei, não pode a CNPD emitir parecer favorável à pretendida utilização da câmara portátil acoplada à aeronave não tripulada. De todo o modo, a CNPD sublinha que a necessidade de tal utilização não está demonstrada em face do sistema de videovigilância já instalado na área sob monitorização”, sustenta o parecer, a que a agência Lusa teve acesso.

No ofício enviado à CNPD, o MAI solicitava a autorização para a utilização de uma câmara de vídeo portátil instalada numa aeronave não tripulada, com o objetivo de monitorizar em tempo real e gravar a localização e as movimentações de adeptos e os fluxos de veículos, alegando razões de eficiência na gestão e intervenção das forças policiais.

“Com a finalidade de antecipar potenciais comportamentos inadequados, principalmente de natureza coletiva, potenciadores de desordens públicas graves (…), de forma a garantir uma adequada/otimização ação de comando, controlo e supervisão e que privilegie a prevenção”, refere o parecer da CNPD, citando o ofício do MAI.

A CNPD diz não encontrar fundamento legal para a utilização de uma aeronave não tripulada para a finalidade de vigilância de pessoas e acrescenta que “há mais de um ano” que vem alertando para este vazio legal.

Não existe legislação específica a regular a utilização de câmaras de videovigilância, ou outro meio técnico análogo, acopladas a aeronaves não tripuladas. Sendo essa utilização suscetível de afetar com particular intensidade os direitos fundamentais à reserva da intimidade da vida privada, da proteção de dados pessoais e da liberdade, a CNPD recorda que é urgente regular esta matéria por via de lei”, salienta esta Comissão.

O segundo fundamento desta Comissão para a emissão do parecer negativo prende-se com o facto de já existir um sistema de videovigilância instalado no recinto desportivo, o qual “pode ser utilizado por elementos das forças de segurança”.

A CNPD deu, por seu lado, parecer favorável ao pedido do MAI para o uso de duas câmaras portáteis por parte de elementos policiais uniformizados e/ou devidamente identificados.

Ministério Público arquiva inquérito sobre uso de drones na final da Liga dos Campeões

Entretanto, também esta sexta-feira, foi tornado público que o Ministério Público arquivou, “por insuficiência indiciária”, o inquérito instaurado por suspeita da prática de eventuais crimes de acesso indevido a dados pessoais ou de fotografias ilícitas, na sequência do uso de drones pela polícia na operação de segurança da final da Liga dos Campeões, no ano passado, em Lisboa.

O Ministério Público, em comunicado publicado na página da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa, explica que “no nosso sistema jurídico-penal não existe regulamentação ou incriminação expressa da utilização deste meio”.

Mais se apurou que as câmaras de vídeo portáteis acopladas em meios aéreos não tripulados não permitem efectuar a extracção de imagens de indivíduos, mas apenas a extracção de imagens macro de pessoas – o que se revela de grande utilidade para o acompanhamento, monitorização das movimentações dos adeptos, dos fluxos rodoviários e para assegurar melhor segurança e protecção das pessoas e bens. Todas as imagens gravadas foram objecto de destruição pela própria PSP”, alega o Ministério Público.

“Em consequência, atentos os princípios da legalidade e da tipicidade e a insuficiência de indícios probatórios sobre a prática dos crimes denunciados foi determinado o arquivamento do inquérito”, conclui o MP.

A PSP procedeu à filmagem da final da taça UEFA-Liga dos Campeões no dia 24 de maio 2014, através de aeronaves não tripuladas. A CNPD em ulterior parecer enviado ao MAI tinha-se insurgido contra a filmagem não autorizada das imagens dos cidadãos presentes no evento.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Prisões

Todo o homem é maior que o seu erro 

Luís Gagliardini Graça
211

Sobre Justiça Restaurativa ou Reparadora, a proposta do PAN é extemporânea, não se adequando à realidade, e a do Chega não é compatível com a nossa cultura ocidental, baseada no perdão cristão

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)