O destino da Grécia está nas mãos da chanceler alemã Angela Merkel e é dela que depende a decisão sobre o acordo com os credores que pode, ou não, ser alcançado na segunda-feira na cimeira extraordinária de líderes da zona euro. É pelo menos assim que pensa o ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, e foi isso que escreveu num artigo de opinião que será publicado amanhã no jornal alemão Frankfurter Allgemeine Sonntagszeitung.

A escolha de Merkel, segundo Varoufakis, é entre negociar um acordo de resgate “honrado” com Atenas ou enveredar pela via dos “populistas” e abandonar a Grécia, deixando o barco afundar. “Merkel pode entrar na via do entendimento honrado com um governo que rejeitou o ‘pacote de resgate’ e está a tentar negociar uma solução, ou pode seguir os apelos daqueles que, no seu governo, a querem ver a deitar porta fora o único governo grego que tem sido fiel aos seus princípios e o único capaz de pôr o povo grego no caminho das reformas”, escreve Varoufakis, de acordo com a Bloomberg.

A escolha é de Merkel e a decisão deve ser deixada clara na cimeira de segunda-feira em Bruxelas. “A chanceler alemã tem uma decisão muito clara para tomar na segunda-feira”, continua a escrever, em inglês, o ministro grego das Finanças no artigo que estará amanhã nas bancas.

“Da nossa parte, nós vamos a Bruxelas com a determinação para chegar a um compromisso, desde que não nos peçam para fazer aquilo que o governo anterior fez: aceitar mais dívida com condições que deixam muito a desejar quanto à possibilidade de podermos vir a pagá-la”, acrescenta.

Varoufakis não especifica, contudo, que compromisso é esse que a Grécia está disposta a fazer ou que propostas de solução vai levar à reunião de segunda-feira.