Escrever que todas as semanas nasce uma marca de cerveja artesanal portuguesa pode soar a uma afirmação exagerada, mas não andará assim tão longe da verdade como isso. Pelo menos a confiar nesta lista, publicada (e atualizada com alguma frequência) no site Cerveja Artesanal Portuguesa. Não é de estranhar, assim, que se organizem cada vez mais eventos relacionados com o tema ou que, de repente, seja inaugurado o primeiro brewpub nacional, a Letraria, em Vila Verde. Depois de anos e anos de hegemonia vínica, esta é — conclui-se facilmente — uma boa altura para se gostar de cerveja em Portugal. E os três festivais do próximo fim de semana são prova disso mesmo.

AZBeer

Onde?
Pateo Valverde, na Azambuja, junto à Praça de Touros local. A partir da estação da CP o percurso até ao evento (cinco minutos a pé) estará assinalado em stencil no chão. Durante o festival, os bilhetes de ida e volta de comboio a partir de Lisboa, Sintra ou Setúbal custam apenas 2€.
Quando?
Começa na sexta-feira, 3 de julho, e termina dois dias depois, no domingo. O horário de funcionamento é o seguinte: sexta-feira das 18h à 00h e sábado e domingo das 12h à 00h.
O que se bebe?
A organização espera ter disponíveis para prova mais de 80 referências de 12 marcas nacionais: Sovina, Maldita, Vadia, Passarola, Aroeira, Mean Sardine, 5 e Meio, Gíria, Rolls Beer, Praxis, Bolina (que joga em casa) e a estreante Against the Tide, que irá apresentar sete variedades de cerveja, cidras e hidromel. Mas não é tudo: também estarão representadas duas beer houses, a lisboeta Cerveteca e a santarena Ponto G que ficarão responsáveis por trazer à festa alguns rótulos internacionais da especialidade, como a escocesa BrewDog ou a dinamarquesa Mikkeller.

cerveja artesanal 3

A Against The Tide vai apresentar uma variedade assinalável de cervejas no festival
(foto: facebook.com/againstthetidebrewing)

O que se faz?
No sábado, segundo dia do festival, haverá um workshop com Rui Bento, cervejeiro da Amnesia, ideal para quem se queira iniciar no mundo da microprodução cervejeira, seguido de uma palestra sobre criatividade e inovação. Também será possível provar alguns pratos do chef Daniel Cardoso, do restaurante LeMoustache Smokery, criados para o chamado food pairing com cerveja. E há música: bandas de covers, para que o malte e o lúpulo não percam protagonismo.
Quanto custa?
A entrada no festival será gratuita. Quem quiser beber, no entanto, deverá adquirir um copo que vai custar 3€. Quem comprar dois copos, paga 5€. Já o preço das cervejas será abaixo da média praticada nos bares. Segundo a organização, rondará, em média, os 2€.

Alameda Beer Fest

Onde?
Como o nome indica, o festival vai acontecer no Jardim da Alameda, o maior e mais antigo espaço verde público da capital algarvia.
Quando?
O Alameda Beer Fest começa na sexta-feira, 3 de julho, e termina dois dias depois, no domingo. O horário é o mesmo para os três dias: das 17h às 02h. No sábado, contudo, há um curso de iniciação à produção cervejeira fora deste horário. É às 14h45, no IPJ de Faro.
O que se bebe?
Neste caso, a oferta é partilhada entre cervejas nacionais e internacionais. No que às nacionais diz respeito, espere encontrar um pouco de tudo: desde rótulos bem conhecidos, como os da pioneira Sovina ou da aveirense Maldita a outros que praticamente se estreiam nestas andanças, casos da tavirense Moura, que utiliza a alfarroba nas suas criações, ou da Rapada, de Oliveira do Hospital. Curiosamente, também estará disponível uma cerveja produzida propositadamente para o festival, com raspas de laranja. De fora vêm cervejas espanholas (a região convidada é a Andaluzia), belgas, americanas e britânicas. Nomes como Cab Beer, Mammoth, Brouwerij, BrewDog, Shepherd Neame, Samuel Adams ou Flying Dog. No total, a organização garante cerca de 120 referências disponíveis.

cervejamouratavira

A cerveja de alfarroba da Moura soa-lhe bem? Pode prová-la no Alameda Beer Fest.
(foto: facebook.com/cervejaartesanalmoura)

O que se faz?
Muita coisa. Haverá música, claro, com dois palcos e várias bandas e DJs convidados, mas o programa completo não se fica — longe disso — por aí. Destaque para as conversas cervejeiras, na biblioteca, dedicadas a temas diversos, e para as sessões de degustações, harmonizações e showcooking, com produtos algarvios: doces, conservas, cataplanas ou peixe da costa. Quem quiser aprender também não sai mal servido: está prevista uma oficina para a iniciação à produção (a inscrição custa 30€) e um workshop sobre pão algarvio e cerveja artesanal.
Quanto custa?
A entrada no recinto é gratuita, já o consumo das cervejas disponíveis exige a compra do copo oficial do certame. Custa 2,5€.

copo alameda beer fest

Este é o copo oficial do Alameda Beer Fest. Vai custar 2,5€.
(foto: facebook.com/alamedabeerfest)

Caneco Fest

Onde?
O recinto do Caneco Fest (ou Festival do Caneco) vai ser na mesma zona da edição do anterior, embora com um perímetro um pouco mais reduzido. Assim, os espetáculos terão lugar dentro do Castelo de Belmonte e à volta deste ficará o chamado jardim da cerveja.
Quando?
Este ano o festival foi antecipado para o próximo fim-de-semana, 3 a 5 de julho, para evitar as surpresas desagradáveis com a meteorologia que marcaram a edição de 2014, que teve lugar em finais de setembro. O horário será o seguinte: sexta das 18h à 00h, sábado das 12h à 01h e domingo das 12h às 23h.
O que se bebe?
Até ao momento já são mais de 20 os cervejeiros inscritos no festival. A maioria vem de território nacional mas também há quem viaje de Espanha e da Bélgica. Merecem referência especial três marcas: a lisboeta Dois Corvos, em estreia mundial depois da reformulação da marca, a Cabralina, de Belmonte, que irá ser lançada no próprio festival e, não menos importante, a Post Scriptum Brewery de Pedro Sousa, um dos maiores mestres cervejeiros do país, que esteve na origem da primeira marca de cerveja artesanal do país, a Sovina.

post scriptum beer

Duas das criações de Pedro Sousa, o mestre cervejeiro da Post Scriptum Brewery
(foto: facebook.com/postscriptumbrewery)

O que se faz?
A música tem um peso importante no Caneco Fest, com concertos d’Os Azeitonas (sexta), Melech Mechaya (sábado) e Sopa da Pedra (domingo). A acompanhar, a gastronomia e a arte urbana também vão ter eventos associados ao festival. Haverá três exposições fotográficas, uma sobre os habitantes do bairro do Largo do Castelo que será projectada numa das paredes de acesso ao Festival, e as outras duas sobre Belmonte onde se utilizarão as velhinhas árvores que partilham o espaço com o festival como suporte para as fotografias. No sábado ocorrerá um workshop de cerveja artesanal e uma prova comentada, na qual participarão algumas cervejas que pela sua dimensão ainda não têm capacidade para integrar um festival, no caso a Galdéria, a Régia e a Vitriol. Para além disso a organização prevê algumas conversas sobre cerveja artesanal, utilizando a imensa panóplia de cervejeiros presentes — o objectivo será aproveitar as singularidades, diferenças e dificuldades entre projectos para que todos possam aprender uns com os outros.
Quanto custa?
A entrada no festival é gratuita e o mesmo é válido para os concertos com exceção de o d’ Os Azeitonas, que tem bilhetes à venda a partir de 12€.