Paris

Ator português confundido com terrorista e foi detido em Paris

738

Heitor Lourenço estava a meditar num avião, à partida de Paris, quando foi confundido por um terrorista, suspeito de querer detonar uma bomba a bordo. O mal entendido resultou na detenção do ator.

Vítor Rios / Global Imagens

O ator português Heitor Lourenço foi confundido com um terrorista em Paris, esta terça-feira, uma situação caricata que aconteceu dias depois de três atentados terem abalado o mundo (em França, na Tunísia e no Kuwait). A história passou-se a bordo de um avião da companhia aérea Transavia, que ia iniciar a ligação entre Paris e Lisboa, e que acabaria por ser evacuado devido a um mal-entendido.

Devido a problemas técnicos e à falta de combustível, tal como conta a SIC, o voo foi adiado, pelo que Heitor Lourenço e os restantes passageiros ficaram retidos no avião durante algumas horas. À semelhança do que costuma fazer noutras viagens, o ator começou a meditar. Resultado? Foi confundido com um terrorista, com intenções de detonar uma bomba a bordo, e chegou a ser detido pela polícia no aeroporto de Paris.

“Quando ponho o pé nas escadas do avião estavam várias pessoas a olhar para mim. A polícia do aeroporto de Paris agarrou em mim, um polícia de cada lado a segurar-me nos braços, e puseram-me dentro do carro da polícia. Disseram-me que tinha sido denunciado por suspeitas de terrorismo a bordo e que tinha estado a recitar o Corão em voz alta. Que estava a ler um texto que envolvia as palavras morte e bomba”, disse em declarações à SIC.

heitor

Segundo o que o Heitor Lourenço contou à SIC, foram os passageiros ao seu lado que o denunciaram e que fizeram com que o piloto ordenasse que todos saíssem do avião. Uma vez escoltado pela polícia parisiense, o ator só ficou a conhecer os motivos da detenção no interior da esquadra, em Orly, onde ficou retido durante seis horas.

Acontece que o texto que estava a ler, e que servia para orientá-lo na meditação, continha carateres tibetanos e foi, por isso, confundido com o árabe do Corão. Já a dita “contagem decrescente” dizia respeito ao facto de o ator estar a cronometrar o tempo de meditação no tablet.

Segundo Heitor Lourenço, as forças policiais só chegariam à conclusão da verdadeira identidade do português quando descobriram vídeos na Internet onde se tornou claro que este era uma figura conhecida da sociedade nacional. Mas a Wikipédia também serviu como fonte de informação, através da qual os agentes confirmaram que o português estava referenciado como budista.

O ator não se livrou de ser citado num processo formal e espera agora que as autoridades arquivem o caso.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Imigração

A política da miragem /premium

Helena Matos

Nos anos 70 trauteavam “A África é dos africanos." Agora se pudessem despovoavam essa mesma África para através da imigração alimentarem o activismo do ressentimento.

Imigração

Os “anti-fascistas” histéricos /premium

João Marques de Almeida

Sendo a imigração o maior problema da Europa, desafio os “anti-fascistas” de pacotilha a olhar para as políticas anti-imigração de Macron antes de chamarem fascistas a Salvini e ao chanceler austríaco

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)