Acontece em grande parte dos escritórios: eles confortáveis de fato, elas de vestido leve em desespero por um casaco para aliviar o frio. Serão eles os encalorados ou o problema está nelas, que são friorentas e muito sensíveis?

São elas que têm razão para andar com a pele arrepiada. A temperatura média dos escritórios continua a ser calculada de acordo com uma fórmula criada nos anos sessenta, quando as mulheres no mercado de trabalho eram ainda poucas, e que tinha em conta o ritmo metabólico de um homem com 40 anos e 70 quilos de peso. Ora, as mulheres têm um metabolismo basal mais lento, por isso a temperatura corporal média é mais baixa. E sendo assim precisam de ambientes um pouco mais quentes para estarem confortáveis, explica a BBC Mundo.

Outro fator importante: a maior parte das mulheres não tem o físico de um homem aos 40 anos. Têm mais gordura e menos massa muscular e isso também é determinante para que ande sempre de manta nas pernas, explica Boris Kingma, um biofísico holandês. Mas não culpemos os homens dos anos sessenta: na verdade, estavam apenas adaptados à realidade do mercado de trabalho da altura, dominado pelo sexo masculino.

Só que hoje em dia a história é outra: “O modelo subestima a produção de calor das mulheres. Até mesmo o tipo de roupa mudou: agora elas têm menos pudor em usar roupas mais frescas e em expor mais o corpo e também por isso sentem mais frio do que antigamente.

Será este um caso de discriminação sexual? Para os autores do estudo, sim. Por isso devia começar-se a estudar novas fórmulas que deixem ambos os géneros mais confortáveis no local de trabalho. No verão, a temperatura devia ser um mais alta dentro dos escritórios. Mas eles também deviam usar roupa mais fresca. E assim ficariam todos a ganhar.