Um mês após o lançamento, o Apple Music conta já com 11 milhões de utilizadores, de acordo o USA Today. A empresa liderada por Tim Cook oferece os três primeiros meses de subscrição do novo serviço de stream de música lançado a 30 de junho e nada garante que o número não venha a alterar-se significativamente nos próximos meses.

Ainda assim, assumindo que todos estas subscrições gratuitas se convertem à modalidade paga no final do período promocional, a Apple já terá conseguido pelo menos metade das subscrições pagas do Spotify, o serviço líder no setor, lançado há quase uma década — e o maior rival do Apple Music. Durante o mesmo período, o Spotify terá angariado 20 milhões de subscritores. Ao jornal norte-americano, Eddy Cue, vice-diretor de software e serviços de internet da Apple, mostrou-se “entusiasmado com os números, até agora”.

A partir do final de setembro, o Apple Music funcionará à base de dois modelos de subscrição paga. As contas individuais terão um custo mensal de 6,99 euros após o período experimental, havendo ainda um pacote familiar de até seis elementos, com um custo de 10,99 euros. Os dados divulgados indicam ainda que dos 11 milhões de subscrições do Apple Music, dois milhões de utilizadores escolheram esta última modalidade.

Atualmente, tanto o Apple Music como o Spotify oferecem uma biblioteca de música a rondar os 30 milhões de faixas. A explorar o setor estão ainda outros serviços semelhantes, tais como o TIDAL e o Google Play Music.

Ao USA Today, Eddy Cue revelou ainda que, durante o mês de julho, a App Store — loja de aplicações da Apple — bateu a marca de 1,7 mil milhões de dólares em transações, “com especial força na China”.