O presidente da Câmara de Mangualde, João Azevedo, disse hoje que os incêndios que continuam a lavrar no concelho já causaram centenas de milhares de euros em prejuízo e estão a provocar uma “situação de grande alarme”.

Em declarações à agência Lusa, o autarca de Mangualde explicou que, por volta das 21:30, “duas grandes frentes de incêndio estavam a aproximar-se das casas nas povoações de Cunha Alta e Almeidinha”.

“Já foram retiradas algumas pessoas das habitações, por precaução, especialmente crianças e idosos”, acrescentou.

De acordo com João Azevedo, o concelho vive “uma situação de grande alarme, adivinhando-se uma noite muito difícil”.

“Todos os meios estão a ser usados, mas os ventos estão sempre a mudar, muito rapiamente”, referiu.

Ao final do dia “ardeu uma casa com brasão, na aldeia da Mesquitela, que se encontrava desabitada” e também já arderam alguns barracões agrícolas”, provocando “centenas de milhares de euros em prejuízo”, declarou.

A linha férrea da Beira Alta continuava interrompida em Mangualde pelas 21:45 e o plano municipal de emergência permanecia ativado devido ao fogo, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

A linha da Beira Alta foi interrompida às 12:30 por causa de um incêndio em mato que teve início às 12:20 na localidade de Cubos, no concelho de Mangualde, distrito de Viseu.

Segundo a página da Autoridade Nacional de Proteção Civil, atualizada às 21:45, encontram-se a combater as chamas no concelho de Mangualde, distrito de Viseu, 293 operacionais, apoiados por 87 veículos.