Na rua da Pimenta, junto à travessa da Malagueta, em Lisboa, está o The Old House. Por mero acaso ou ironia, a localização é um prenúncio daquilo que se avizinha: este é um restaurante onde o picante é tratado na primeira pessoa. Mas antes de imaginar o seu paladar a arder, esqueça o copo de água porque vamos começar com um bule de chá à moda chinesa acompanhado de 10 factos a ter em conta antes de uma visita:

1. O picante é opcional

A comida chinesa tem, no total, oito tipos de gastronomia, conforme as regiões. Este novo espaço representa a de Sichuan, cuja capital, Chengdu, é conhecida por ser um autêntico paraíso gastronómico pelos seus pratos picantes com doses generosas de pimenta e malagueta frescas, secas ou em pó. Contudo, a autenticidade desta gastronomia foi adaptada aos gostos ocidentais a nível de picante e se não for apreciador pode pedir para dosearem (ou mesmo abolirem) estes condimentos.

2. Na ementa não entram crepes chineses ou arroz chau chau

A carta é bem diferente dos típicos restaurantes chineses. Não há crepes chineses: o único crepe, de arroz, é o que vai usar para enrolar o pato à Pequim (26,9€) acompanhado de molho de soja, pepino e cebolinho. Já o arroz de soja com ervilhas e bacon (3,9€) toma o lugar do arroz chau chau. Consoante a época, a ementa sofrerá alterações: no inverno pode contar com fondue quente com várias especiarias de Sichuan.

The old house dim sum, lifestyle, 2015, restaurante, chinês,

O arroz de soja leva ervilhas e bacon (3,9€) e substitui o habitual chau chau. Se não gostar, pode optar por arroz branco (1€). © Michael M. Matias/Observador

3. Pode falar de boca cheia…

A tradição chinesa manda que pode (e deve) falar de boca cheia. Outra particularidade da cultura local: se os seus convidados estiverem atrasados, deve começar a comer sem eles. A sopa pingou? Sem problema, pode sujar a mesa sem preconceitos. À semelhança do picante, os pauzinhos também são opcionais. Opte pelos talheres se não domina a técnica porque neste restaurante os pauzinhos não têm elásticos.

4. … mas os pratos têm uma ordem

A ementa está no iPad acompanhada das fotografias, preço e nível de picante de cada prato. No entanto, segundo dita a tradição chinesa, deve começar-se pelos pratos frios, seguir para os quentes e só depois é que pode passar para o acompanhamento (como o arroz, por exemplo). A sopa de kung fu (5,5€), uma espécie de caldo de galinha com chá verde, chega no fim para facilitar a digestão. Por último, termine com uma sobremesa típica de Sichuan — sempre à base de fruta.

The old house dim sum, lifestyle, 2015, restaurante, chinês,

A sopa de kung fu vem no bule individual. Depois de beber o caldo, deve comer o frango com uma colher. © Michael M. Matias/Observador

5. Este é o primeiro restaurante da cadeia fora da China

O grupo The Old House é uma das marcas de restauração mais conhecidas da China, detida por Yang Cao. A cadeia conta com um total de 30 restaurantes mas este é o primeiro fora da República Popular da China. Yang escolheu Portugal porque os seus dois sócios, Jin Jiaqing e He Sha, já vivem em Lisboa há algum tempo e convenceram-no a apostar na capital.

6. A decoração é tradicionalmente chinesa

O espaço de 1000 metros quadrados, com capacidade para 180 pessoas, tem dois andares cheios de pormenores. Desde os bonsais, passando pelas lanternas vermelhas, até aos típicos potes chineses de porcelana — decorados a azul e branco — onde os ancestrais chineses guardavam a comida durante vários dias. Junto à esplanada, com vista para o rio Tejo, está uma carruagem com um laço vermelho.

The old house dim sum, lifestyle, 2015, restaurante, chinês,

O espaço foi decorado pela filha de Yang Cao, com lanternas vermelhas, potes chineses e árvores de bonsai. © Michael M. Matias/Observador

7. A inauguração contou com o embaixador da China

O vice-primeiro-ministro Paulo Portas e o embaixador da República Popular da China estiveram lado a lado numa inauguração que juntou individualidades de vários países. O evento multicultural dividiu-se pelo piso superior e pelas salas privadas especialmente concebidas para jantares de negócios de 10 pessoas.

8. A cozinha está à vista de todos

No vidro da primeira sala, é possível ver os chefs asiáticos a cozinharem os pratos na hora. São eles que elaboram a carta sem pronunciarem uma única palavra em português. Também os clientes são (quase) todos chineses. Já os funcionários são de várias origens e vestem os tradicionais trajes chineses Hanfu com vários detalhes de flores.

The old house dim sum, lifestyle, 2015, restaurante, chinês,

Na cozinha do The Old House, os chefs só falam chinês e têm tarefas específicas. © Michael M. Matias/Observador

9. Se sobrar, o chef obriga-o a levar para casa

As doses chinesas tradicionais foram concebidas para serem partilhadas. Ainda assim, é provável que sobre comida. Se assim for, o chef prefere que leve para casa uma vez que este tipo de ementa típica de Sichuan não permite aproveitamentos — quer de marisco ou de carne.

10. Os diabéticos, alérgicos e intolerantes são bem-vindos

“É alérgico a alguma coisa?”. Esta é a primeira pergunta que um funcionário lhe vai fazer quando anotar o seu pedido. Seja diabético, alérgico ou intolerante a alguma substância pode chamar à sua mesa qualquer um dos chefs que, com a ajuda de um tradutor, lhe vai sugerir vários pratos que pode confecionar para ir de encontro às suas necessidades. A segunda pergunta dirá respeito ao nível de picante. Se não gostar, abdique dele. Se gostar, peça moderado. Se for corajoso, experimente o nível de picante típico de Sichuan mas não se esqueça do seu bule de chá.

The old house dim sum, lifestyle, 2015, restaurante, chinês,

As paredes das quatro salas privadas são removíveis e permitem receber até 40 pessoas. © Michael M. Matias/Observador

Nome: The Old House
Morada: Rua da Pimenta, 9 (Parque das Nações) Lisboa
Telefone: 21 896 9075
Horário: Todos os dias, das 12h às 15h e das 19h às 23h
Reservas: Aceitam
Preço Médio: 20€

Texto editado por Tiago Pais.