Uma bomba explodiu no centro de Banguecoque, na Tailândia, avança a CNN através da Reuters. As informações oficiais dão conta de 19 mortos, mas os órgãos de comunicação locais já falam de 27 vítimas mortais e 123 feridos. A bomba estaria instalada numa mota estacionada no local. O Telegraph diz que entre os mortos poderão estar quatro estrangeiros, entre os quais dois chineses e um filipino.

De acordo com o The Guardian, a polícia pediu que as pessoas se afastassem do local da explosão, porque estavam a verificar se existia uma segunda bomba na zona comercial de Banguecoque. O Independent avança que este dispositivo terá sido encontrado e detonado. A Sky News referiu-se a um terceiro explosivo que podia estar no local, mas também ela terá sido desativada.

Várias testemunhas dizem que existem vários corpos no chão. Os serviços de emergência médica já reagiram, conta o The Mirror. Todas as informações foram confirmadas pelo chefe da polícia tailandesa, Prawut Thavornsiri.

A BBC está no local e descreve um cenário de “grande caos com partes de corpos espalhadas por todo o lado”. De acordo com a estação de televisão britânica, o local onde ocorreu a explosão, Rajprasong, tem sido palco de vários protestos políticos no país desde o ano passado. A bomba rebentou junto a um santuário hindu.

O jornal Bangkok Post informa que não haverá Estado de Emergência. As instituições públicas do país – incluindo escolas, bancos e serviços governamentais – vão abrir amanhã. Apenas 432 escolas vão fechar.

Não existem suspeitas confirmadas quanto à autoria dos ataques, mas a CBC News admite que os separatistas muçulmanos no sul da Tailândia podem estar por detrás do ataque, já que foram os únicos até hoje a utilizar carros-bomba nos protestos. Em fevereiro, uma bomba de pequenas dimensões rebentou em Rajprasong mas não causou muitos danos.

Desde maio de 2014 que a Tailândia é governada por uma junta militar, após longos meses de protestos contra o governo da altura. Recentemente, a junta militar informou que podia não haver eleições até 2017, o que veio aumentar a tensão no país.

Prawit Wongsuwong, o ministro da Defesa tailandês, disse que o atentado visava “atingir estrangeiros e prejudicar a economia e o turismo”. A bomba seria do tipo TNT, isto é, possuía um químico explosivo chamado trinitrotolueno.

Texto editado por Rita Ferreira