Numa entrevista que será publicada esta sexta-feira no semanário Sol, António Costa salientou que existe uma identidade entre ele e Manuela Ferreira Leite. “Do ponto de vista programático, sobretudo com a doutora Manuela Ferreira Leite, que é uma pessoa mais moderada, digamos há uma identidade de ponto de vistas hoje muito significativa”.

A pergunta era clara: “Coloca a hipótese de Pacheco Pereira ou Manuela Ferreira Leite fazerem parte do seu governo?”. O secretário geral do PS não respondeu diretamente à possibilidade de a ex-ministra das Finanças e ex-líder do PSD fazer parte de um governo socialista. Mas foi muito mais taxativo quando se falou de Pacheco Pereira: “Não vou estar aqui a especular com nomes que, ainda por cima, estão filiados noutros partidos. Mas digo-lhe que Pacheco Pereira, pela sua própria natureza, nunca estaria em nenhum Governo que ele não pudesse derrubar no momento a seguir. Serei sempre mais moderado do que Pacheco Pereira”.

Bloco Central? Só em caso de invasão de marcianos

O que fica totalmente afastado dos planos de António Costa é a possibilidade de haver um governo de Bloco Central, que junte PS e PSD. “O Bloco Central, do meu ponto de vista, é uma solução má. A não ser em situações extremas. Se um dia estivermos sob a ameaça de invasão de marcianos, acho normal que possa haver um governo de unidade nacional que envolva o PS e o PSD”, referiu.

Numa pré-publicação feita esta quinta-feira no site do semanário, António Costa é também questionado sobre se irá visitar José Sócrates caso ele seja libertado em setembro, altura em que será novamente revista a medida de coação aplicada pelo juiz Carlos Alexandre. “Não creio”, respondeu, alegando que não terá tempo para o fazer em plena campanha eleitoral.