Rádio Observador

Monumentos

Câmara e sociedade Parques de Sintra criam gabinete do património mundial

A Câmara de Sintra e a Parques de Sintra-Monte da Lua vão assinar, na terça-feira, um protocolo para a criação de um gabinete para “acompanhamento e monitorização” da área Património da Humanidade.

In

O novo Gabinete do Património Mundial – Paisagem Cultural de Sintra terá como missão “promover a aproximação entre os interessados” na zona classificada, “através do debate de ideias sobre a gestão e a reabilitação do património”, estabelece o protocolo, a que a Lusa teve acesso. O acompanhamento das intervenções de entidades públicas e privadas na área de proteção da Paisagem Cultural e a promoção de “estudos científicos e técnicos” serão outras atribuições do gabinete.

A nova estrutura vai ainda “acompanhar os impactos e os resultados do plano de ação do Plano de Gestão” e “proceder à avaliação das ameaças permanentes e riscos” da zona classificada pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura), em dezembro de 1995. O gabinete ficará também incumbido de avaliar as “alterações das condições e o estado de conservação dos bens”, através de relatórios periódicos, com base em informações anuais, e de elaborar um manual de monitorização.

As recomendações à Câmara e à PSML “assumem carácter consultivo e informativo, não se substituindo às atribuições e competências legais dos serviços, organismos e entidades envolvidas”, lê-se no protocolo.

O presidente da autarquia, Basílio Horta (PS), informou no final de julho o executivo municipal que o gabinete funcionará no centro histórico, em instalações cedidas pela União de Freguesias de Sintra, e será coordenado por João Lacerda Tavares, ex-administrador da PSML, até junho, em representação do município. Segundo o autarca, o gabinete vai assegurar o cumprimento das orientações da UNESCO “para se manter o património mundial”.

“Está na agenda a criação de um fundo específico dentro [da sociedade] do Monte da Lua para a recuperação de uma parte da serra que não está ainda completamente recuperada, nomeadamente de alguns privados”, explicou então Basílio Horta, admitindo, no entanto, que isso depende da PSML.

A criação de um gabinete da Paisagem Cultural é uma antiga recomendação de organismos da UNESCO, na sequência de diversas missões técnicas para avaliar o estado de conservação da zona classificada de Sintra. A autarquia e a PSML assumiram, em 2010, a revisão do plano de gestão da Paisagem Cultural, a partir de sugestões de peritos da IUCN (União Internacional de Conservação da Natureza) e do Icomos (Conselho Internacional de Monumentos e Sítios).

Na ocasião, o então presidente da autarquia, Fernando Seara (PSD), salientou que os técnicos verificaram “uma clara evolução na gestão global” da área, mas outra fonte municipal revelou que também aconselharam para “alguma cautela” na reabilitação. A Associação de Defesa do Património de Sintra tem vindo a reclamar a criação de um centro de informação, tal como foi recomendado em relatórios técnicos desde 2000.

Um comité da UNESCO considerou, em 2006, não existirem motivos para inscrever Sintra na lista de património mundial em perigo, desde que fosse recuperada a zona “inscrita” (parte da serra e da vila), e alertou para a “ameaça” do crescimento urbanístico nas zonas “tampão” (da serra até ao mar) e de “transição” (inclui área do Parque Natural Sintra-Cascais).

O protocolo será assinado na terça-feira, em Sintra, pelo presidente da autarquia e pelo presidente da PSML, Manuel Baptista.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)