785kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Vídeo: como seria uma Terra sem gelo?

Este artigo tem mais de 5 anos

Seria muito diferente. As linhas de costa mudariam completamente e algumas das principais cidades do mundo ficariam inundadas. E o mais preocupante: é para este cenário que caminhamos.

Explore o vídeo onde se mostram as alterações que os continentes sofreriam se todo o gelo da Terra derretesse
i

Explore o vídeo onde se mostram as alterações que os continentes sofreriam se todo o gelo da Terra derretesse

Getty Images

Explore o vídeo onde se mostram as alterações que os continentes sofreriam se todo o gelo da Terra derretesse

Getty Images

O mundo está a ficar mais quente. Não é algo que o planeta não tenha atravessado antes, mas desta vez parece estar a acontecer a um ritmo muito mais acelerado. As consequências são muitas, mas há uma que é particularmente angustiante: o gelo – que cobre 10% da superfície terrestre – está a derreter. E muitas cidades podem ‘afogar-se’.

É o que a Business Insider mostra num vídeo publicado esta semana. A partir dele podemos olhar para as mudanças dramáticas que as linhas de costa estão a sofrer à medida que os 160 mil glaciares da Terra vão derretendo. Todas as informações presentes no vídeo foram repescadas de um mapa interativo que a National Geographic publicou há dois anos. Veja o vídeo abaixo e explore o mapa neste link.

Enquanto alguns cientistas argumentam que o aumento exponencial da temperatura terrestre está relacionado com a atividade humana, outros acreditam que o planeta está a atravessar uma mudança natural. Mas a verdade é que há apenas dois séculos, a Terra era mais fria e parecia estar em maior equilíbrio.

A National Geographic diz que o ritmo a que o degelo está a acontecer é alucinante. O Serviço Mundial de Monitorização de Glaciares da Universidade de Zurique (Suíça) diz que em 2007 a espessura do gelo na Terra diminui 0,67 metros. Em algumas regiões, essa diminuição chegou aos 2,5 metros. No ano seguinte, a velocidade de degelo triplicou. A quantidade de gelo perdida foi equivalente a mais do que duas Lisboas.

Através do programa “A Ameaça do Degelo” – um estudo que usou 25 câmaras nas zonas mais frias do Hemisfério Norte – foi possível descobrir que se todo o gelo da Terra derretesse, o nível da água do mar aumentaria 7o metros, afetando 70% da população mundial.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos