Rádio Observador

Exploração Espacial

Vídeo: se ainda não conhece bem a história da Rosetta aqui está um resumo

O Observador tem acompanhado a missão da sonda Rosetta desde que o robô Philae pousou na superfície do cometa. Agora partilhamos um vídeo que faz o resumo desta aventura.

O cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko enquanto se aproximava do Sol

NavCam images/ESA

A sonda Rosetta, num projeto ambicioso da Agência Espacial Internacional (ESA), foi lançada para o espaço em 2004. Quatro voltas ao Sol, um sono profundo, 10 anos e milhares de milhões de quilómetros, foi o que Rosetta precisou para chegar ao cometa carinhosamente chamado de Chury (67P/Churyumov-Gerasimenko) em agosto de 2014 (como pode ver aqui). Meses depois, em novembro, o enviado especial – o robô Philae – pousou, com alguns percalços, na superfície do cometa.

A Euronews resume a história desta aventura em cerca de seis minutos (entre o minuto 1:25 e 7:10), com os testemunhos e emoções de quem trabalhou nesta missão.

Batiam-se dois recordes humanos: a primeira vez que uma sonda orbitava um cometa e a primeira vez que se fazia pousar um objeto humano num cometa. Os feitos foram importantes, mas ainda mais relevante é a quantidade de informação que a Rosetta e o Philae já conseguiram recolher na proximidade ou na superfície do cometa. Afinal, os cometas podem ter a chave para a origem da vida, podem conter informação da formação do universo e podem trazer “novidades” dos locais profundos do sistema solar onde nenhuma sonda humana conseguiu (por enquanto) chegar.

O cometa Churyumov-Gerasimenko tem uma órbita de seis anos e meio e atingiu recentemente o periélio – o ponto mais próximo do Sol. Como o cometa ia passar a apenas 186 milhões de quilómetros do astro-rei, Rosetta afastou-se para uma distância segura, a 30o quilómetros de Chury, para evitar os jatos de gases e partículas que vão derretendo no cometa com o aumento da temperatura. Apesar dos perigos dos jatos, estes estão carregados de informação sobre a composição do cometa, informação muito valiosa.

Mas a proximidade do Sol pode ter trazido outras vantagens. Esta pode ter sido a melhor oportunidade de Philae expôr os painéis para carregar as baterias. Ter ficado na sombra de um “penhasco” fez com que o robô “adormecesse” muito mais cedo do que esperado. Agora, assim que Rosetta se puder aproximar de Chury outra vez, tentará restabelecer contacto com o seu companheiro.

Quando o cometa estiver mais calmo, com menos poeira no coma [a nuvem de poeiras e gases que o envolvem], isto significa que a órbita [da Rosetta] pode aproximar-se do cometa outra vez e isto vai aumentar as nossas hipóteses de restabelecer as comunicações com o robô”, explica Stephan Ulamec, o responsável do Centro de Controlo do Philae Lander, em Colónia, na Alemanha.  “Claro que sonhamos com o momento de restabelecer o contacto e recolher mais dados científicos. Por exemplo imagens que nos permitam ver a diferença no terreno entre novembro passado e o momento após o periélio.”

A missão, que foi extendida até setembro de 2016, não contará só com as contribuições que Philae ainda poderá vir a dar, mas tentará recolher todos os dados possíveis. A missão terminará quando Rosetta descansar finalmente sobre o cometa que perseguiu durante tanto tempo. “Nas últimas semanas da missão tencionamos efetuar uma descida em espiral para a superfície do cometa, esperamos conseguir voar até uma distância curta, digamos 10 quilómetros, onde poderemos ter imagens espetaculares de curta distância e, por fim, fazer a Rosetta pousar, ou aterrar (se quiser) ou cair na superfície do cometa”, diz o diretor do voo, Andrea Accomazzo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)