Obrigado por ser nosso assinante. Usufrua de leitura ilimitada deste e de todos os artigos do Observador.

A polícia húngara recorreu esta quarta-feira a gás lacrimogéneojatos de água de alta pressão contra uma multidão de refugiados que terão conseguido furar uma vedação de arame farpado. Segundo a imprensa húngara e agências internacionais como a Associated Press, a polícia descreveu estas pessoas como “agressivas” e garantem que estas atiraram pedras e garrafas de plástico contra a polícia.

The Guardian encontrou um vídeo no Youtube que mostra o momento em que os refugiados derrubam a vedação.

As agências de noticias, incluindo um correspondente da BBC, noticiaram que depois de, numa primeira fase, a polícia não ter respondido, acabou por haver uma ordem para usar gás lacrimogéneo contra os migrantes que se encontravam junto ao posto fronteiriço.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Entre os atingidos pelo gás lacrimogénio está António Galvão, repórter de imagem da TVI. O jornalista Pedro Moreira publicou, na sua página de Twitter, o momento em que dois refugiados tentam ajudar o português, que a TVI já informou não ter sofrido qualquer ferimento.

“A polícia está a tomar medidas legais e proporcionais para proteger a fronteira estatal da Hungria e a fronteira externa da União Europeia”, afirmaram as autoridades húngaras em comunicado. Afirmam que 20 polícias ficaram feridos nos incidentes. Vários jornalistas no local contam que alguns migrantes, incluindo pelo menos duas crianças, foram assistidos do lado sérvio devido ao efeito do gás lacrimogéneo. Algumas dezenas de pessoas conseguiram furar entre a confusão e entrar em território húngaro.

Estes foram os primeiros incidentes do género desde que a Hungria encerrou a fronteira, na segunda-feira. Mais de 350 pessoas foram recolhidas pela polícia húngara na terça-feira, depois dos quase 10 mil no dia anterior.