Os serviços prisionais sul-africanos confirmaram hoje o adiamento por duas semanas da decisão sobre libertação do ex-atleta paralímpico e olímpico Oscar Pistorius, que pretende cumprir o resto da pena em prisão domiciliária, anunciaram os media.

A 12 de setembro de 2014, Pistorius foi declarado culpado do homicídio involuntário da namorada Reeva Steenkamp, abatida a tiro a 14 de fevereiro de 2013.

No mês seguinte, o tribunal condenou o atleta a cinco anos de prisão efetiva pelo crime de homicídio involuntário, mas também a três anos de pena suspensa por uso de arma de fogo.

Em junho deste ano, os serviços prisionais indicaram que Oscar Pistorius era elegível para o regime de prisão domiciliária, depois de ter cumprido um sexto da pena.

Pistorius esperava que o conselho de revisão do departamento dos serviços prisionais tomasse uma decisão na sexta-feira, mas não houve tempo.

“O conselho reuniu-se e considerou as petições, mas infelizmente não teve tempo para tratar de todas e viu-se obrigado a propor um encontro para dentro de duas semanas”, explicou o porta-voz dos serviços prisionais, Manelisi Wolela, em declarações no portal sul-africano News24.

Inicialmente, Pistorius deveria ter saído da prisão no passado 21 de agosto, mas a decisão foi revogada à última hora pelo ministro da Justiça, Michael Masutha, que considerou que a data tinha sido fixada antes do permitido pela lei.

Segundo a legislação sul-africana, Pistorius pode optar por cumprir a pena em prisão domiciliária depois de cumprir 10 meses atrás das grades (um sexto da pena).