Auto

Como se descobriu a fraude da Volkswagen? Por acaso

5.868

Grupo de investigadores queria usar os carros da Volkswagen para provar que o gasóleo pode ser pouco poluente. Acabaram "chocados com os resultados" dos testes que fizeram.

MÁRIO CRUZ/LUSA

O escândalo em torno da Volkswagen rebentou este fim de semana mas a investigação aos resultados dos testes às emissões poluentes começou há cerca de ano e meio, em maio de 2014. E tudo aconteceu por acaso, quando uma equipa de investigadores independentes quis usar os modelos da Volkswagen para provar que os carros movidos a gasóleo podiam ser pouco poluentes. Os investigadores ficaram “chocados” quando viram a discrepância entre as medições feitas no laboratório e as que foram realizadas em estrada.

A Volkswagen e a norte-americana Environment Protection Agency (EPA) estão, afinal, em contacto há vários meses, conta a agência Bloomberg News. Depois de a empresa ter chamado à oficina os quase 500 mil veículos em causa para fazer uma atualização de software, a Volkswagen foi informada a 8 de julho dos resultados finais da investigação levada a cabo pelas autoridades. E só mais recentemente, quando os reguladores estavam a avaliar se certificavam ou não os modelos da Volkswagen que irão para o mercado em 2016, é que a empresa admitiu, segundo a EPA, ter “concebido e instalado um defeat device em vários veículos que detetava, através de um algoritmo informático sofisticado, que o carro estava a ser submetido a testes em laboratório”.

Mas todo este processo começou por acaso. Tudo começou quando um grupo de investigadores ligados ao International Council on Clean Transportation, uma instituição pouco conhecida que se dedica às questões relacionadas com os transportes amigos do ambiente, decidiu usar os carros da Volkswagen para demonstrar como os automóveis com motor diesel podem ser relativamente impoluentes.

O problema é que os carros usados pelo pequeno grupo de investigadores ficavam perfeitamente dentro dos limites quando eram testados em laboratório mas, quando eram levados para a estrada, libertavam grandes quantidades de emissões poluentes – até 40 vezes o máximo permitido por lei.

Uma curiosidade que revelou uma enorme fraude

Um dos investigadores, Peter Mock, teve a ideia de comparar os testes às emissões poluentes quando notou que existiam discrepâncias nos testes feitos na Europa aos modelos VW Passat, VW Jetta e, ainda, o BMW X5. Foi assim que tudo começou.

Mock, que faz a sua investigação a partir da Europa, conversou com John German, o seu colega baseado nos EUA. A ideia era replicar os testes feitos nos EUA e aplicá-los nos carros comercializados na Europa. A Bloomberg explica que, como os EUA têm regras mais apertadas no que diz respeito às emissões poluentes, Peter Mock não tinha dúvidas de que os carros passariam nos testes e mostrar-se-ia aos europeus que os carros a gasóleo eram mais limpos do que se acredita.

“Não tínhamos qualquer razão para suspeitar” que os testes mostrassem outra coisa que não que os veículos “eram limpos”.

Com a ajuda dos laboratórios da West Virginia University, os investigadores colocaram mãos à obra e utilizaram os equipamentos portáteis de medição de gases poluentes. Com estes equipamentos na bagageira e ligados ao tubo de escape, percorreram uma distância de quase 2.100 quilómetros entre San Diego e Seattle e, quando foram apurados os resultados, os investigadores ficaram “chocados”.

“Chocados” porque os resultados que obtiveram não tinham qualquer comparação com os que as autoridades – em rigor, a California Air Resources Board – tinham registado. O Jetta superou os limites legais (americanos) em 15 a 35 vezes e o Passat em cinco a 20 vezes mais. O teste ao BMW X5 não revelou qualquer discrepância, diz a Bloomberg.

Uma atualização do software para resolver o problema

Daí à abertura de um processo de investigação foi um passo. A investigação começou em maio de 2014 e, numa primeira fase, a Volkswagen garantia que tinha descoberto a razão que justificava a discrepância nos resultados. Propôs-se fazer um recall para aplicar um patch, isto é, uma atualização do software que resolvesse a falha.

Mas a agência governamental manteve-se cética e continuou a testar os carros em estrada, constatando que os carros estavam, efetivamente, a emitir mais gases poluentes do que era permitido por lei. Os meses passaram e, por entre garantias por parte dos engenheiros da VW de que era uma questão técnica, a VW foi informada de que não seriam aprovados os novos modelos a menos que a questão fosse plenamente esclarecida. Foi aí que o grupo assumiu a fraude.

Martin Winterkorn, presidente-executivo que acaba de vencer uma luta interna contra o presidente do conselho de administração – e seu antigo mentor –, Ferdinand Piech, garante que fará “tudo o que for necessário para reverter os danos que isto causou”. Esta é, “pessoalmente, a prioridade número 1”, garantiu Winterkorn. A penalização poderá ser, contudo, muito pesada: o grupo arrisca até 18 mil milhões de dólares em multas e alguns executivos poderão enfrentar processos nos tribunais, não sendo de excluir que possa haver detenções no processo.

O principal desafio da Volkswagen será, contudo, reconquistar a confiança dos consumidores norte-americanos.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
António Costa

O desrespeito como forma de governar /premium

André Abrantes Amaral

Costa desvaloriza os factos, desconsidera e desrespeita as pessoas porque dessa forma se desresponsabiliza. Tal é possível porque o PS estagnou, não só a economia, mas também a essência da democracia.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)