Mais de 50% das salas de creches, jardins-de-infância e escolas primárias do Porto e Bragança têm níveis de concentração de dióxido de carbono acima dos limites legislados, aumentando a probabilidade dos bebés e crianças contraírem asma, revela um estudo sobre a poluição do ar em estabelecimentos de ensino portugueses.

Uma equipa de investigadores da Universidade do Porto realizou, nos últimos três anos, um estudo para avaliar a qualidade do ar em 58 salas de 25 creches, jardins-de-infância e escolas primárias da Área Metropolitana do Porto e do distrito de Bragança, que mostra que o ar desses espaços estava mais poluído.

Sofia Sousa, professora e investigadora na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), doutorada em engenharia do Ambiente, adiantou ainda que 84% das salas avaliadas registaram níveis de partículas finas (poeiras) acima da legislação recomendada pela Organização Mundial da Saúde.

O resultado mais inesperado foi registado nos estabelecimentos de ensino em Bragança, onde foi identificada uma concentração de radão com níveis bastante elevados. O radão caracteriza-se por ser um gás radioativo natural associado a solos graníticos e um poluente cancerígeno, que é reconhecido como segunda causa de cancro do pulmão, conta o Público.

Os dados recolhidos são “preocupantes, mas não alarmantes”, considera a investigadora, explicando que uma medida simples e económica, como o arejamento do ar, pode diminuir consideravelmente os níveis de concentração destes poluentes . A inalação de um ar com os elevados níveis de concentração de CO2 e partículas finas “pode aumentar a probabilidade do desenvolvimento de asma infantil”, acrescenta .

“Quanto mais se arejar os espaços, melhor”, considera a investigadora, reconhecendo que há edifícios mais modernos em que o simples arejamento do ar se transforma numa tarefa complicada devido à sua construção.

A equipa que realizou o estudo contactou as instituições envolvidas, comunicando-lhes os resultados dos testes. As instituições mostraram-se preocupadas e disponíveis para desenvolver ações que alterem as situações identificadas.