Os líderes mundiais estão acostumados aos melhores repastos, cheios de luxo, mas hoje tiveram uma surpresa nas Nações Unidas, Estados Unidos, com o que lhes foi servido ao almoço: “lixo”.

O almoço durante a cimeira do desenvolvimento sustentável foi feito inteiramente com comida que, noutras alturas, teria terminado no caixote do lixo, na esperança de destacar a quantidade de lixo produzido pelas dietas modernas e o seu papel no agravamento das alterações climáticas.

O menu para o almoço na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, foi um hambúrguer vegetal feito da polpa que sobrou da produção de sumo, que usualmente é desperdiçada.

Este foi acompanhado com batatas fritas feitas a partir de amido de milho que normalmente vai para a alimentação animal.

Foi assim servida a refeição americana típica, mas desconstruída quanto aos alimentos utilizados.

“O desafio foi criar algo verdadeiramente delicioso no que seria jogado fora”, disse à agência France Presse Dan Barber, um proeminente chefe de Nova Iorque, que trabalhou no menu com Sam Kass, ex-chefe de cozinha da Casa Branca, que dirigiu o programa anti obesidade da primeira-dama Michelle Obama.

Kass afirmou que se lembrou do conceito de um almoço baseado em desperdícios, a propósito da cimeira das Nações Unidas, que se realiza no fim do ano em Paris.

Esta reunião visa alcançar um acordo global para combater o agravamento das alterações climáticas, sendo que a parte do desperdício alimentar será apenas discutida em pequenos círculos.

O almoço de hoje entre os líderes mundiais contou com as presenças do presidente francês François Hollande e do presidente peruano Ollanta Humala.

A delegação portuguesa na cimeira da ONU sobre Desenvolvimento sustentável foi liderada pelo chefe da diplomacia, Rui Machete, e integrou também o secretário de Estado do Ambiente, Paulo Lemos.

Segundo dados da ONU, 28% das terras agrícolas em todo o mundo produzem alimentos que são perdidos ou desperdiçados.

A perda em cada ano é equivalente a 3,3 mil milhões de toneladas de carbono, responsável pelas mudanças climáticas. Se o desperdício de alimentos fosse um país calcula-se que seria o maior emissor depois da China e dos Estados Unidos.