Rádio Observador

Evolução Humana

Afinal a Europa foi colonizada por humanos vindos da China

117

Pensava-se que o homem moderno tinha seguido para a China depois de uma tentativa frustada de entrar na Europa, mas pode não ter sido bem assim. Parece que primeiro os humanos ocuparam o sul da China.

Há pelo menos 45 mil anos o Homo sapiens já vivia na Ásia. Pelo menos era o que os fósseis encontrados no local permitiam deduzir. Agora, a descoberta de 47 dentes humanos na gruta Fuyan, no sul da China, lança a hipótese de que o homem moderno já vivesse naquele continente há mais de 80 mil anos – quem sabe perto de 120 mil. O estudo que vem trazer novas informações à história da evolução humana foi publicado esta quarta-feira na revista Nature.

O homem moderno – Homo sapiens – terá aparecido em África há 160 a 190 mil anos, lembra Robin Dennel, investigador no Departamento de Arqueologia da Universidade de Exeter (Reino Unido), num comentário na revista Nature. Teria chegado ao este do Mediterrâneo há 60 a 100 mil anos, sendo aparentemente derrotado pelo “primo” neandertal. Depois tentou a sua sorte para este, há 60 mil anos. Mas a equipa de Wu Liu, investigador da Academia das Ciências Chinesa, mostra que talvez o Homo sapiens tenha ido primeiro para este, em direção à Ásia, e só mais tarde tenha decidido invadir a Europa.

A equipa multinacional, que fez uma análise morfológica detalhada dos dentes, conclui que estes eram anatomicamente semelhantes aos do homem moderno. Quer isto dizer que só com os dentes não podemos afirmar que eram homens modernos, mas as probabilidades nesse sentido são fortes. Os autores acrescentam que os dentes são mais pequenos do que os de outras espécies de hominíneos existentes em África ou na Ásia naquela altura – Pleistoceno tardio (entre 12 mil e 126 mil anos atrás) – e são semelhantes aos dos europeus dessa época e até têm semelhanças com o homem contemporâneo – vulgo, nós.

Geographical location and interior views of the Fuyan Cave, Doaxian with dating sample (lower left), plan view of the excavation area with stratigraphy layer marked (center), the spatial relationship of the excavated regions and researcher finding human tooth (right). Y-J Cai, X-X Yang, and X-J Wu

Localização e vista interior da gruta Fuyan – Y-J Cai, X-X Yang, and X-J Wu

Estudos anteriores indicam que o homem moderno se terá fixado na Europa e no norte da China há cerca de 40 mil anos, mas com este trabalho a equipa de Wu Liu pretende demonstrar que os humanos com características morfológicas modernas só terão chegado ao este do Mediterrâneo e à Europa 30 a 60 mil anos depois de terem entrado na China.

O problema é que os achados paleontológicos e arqueológicos na China são escassos e poucos fidedignos porque já foram danificados pela atividade das populações locais. A gruta Fuyan mantém-se ainda a salvo dessa intervenção, mas são precisos mais fósseis e achados arqueológicos naquela região para fazer afirmações mais robustas que permitam reescrever a história da humanidade.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)