Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“É sempre tempo excessivo quando qualquer pessoa, qualquer que ela seja, está num tempo de prisão preventiva que não seja justificada por razões absolutamente ponderadas e muito fortes e nunca pode ser por razões de investigação.” Francisco Louçã reagiu assim ao fim da prisão domiciliária de José Sócrates, aplaudindo a decisão do Ministério Público: “Ainda bem, ela prolongou-se tempo demais“.

A alteração da medida de coação do ex-primeiro-ministro foi bem acolhida por Louçã que falava à SIC Notícias, na noite desta sexta-feira: “A investigação tem que ser feita preservando o direito das pessoas que estão a ser investigadas porque quem acusa não julga. Quem julga é o tribunal. É preciso fazer essa diferença. Portanto, acolho com simpatia esta decisão.” E acrescentou: “Quanto mais depressa o julgamento se fizer, ou seja, a acusação for apresentada e o julgamento se realizar, melhor é para a justiça portuguesa, para José Sócrates e todas as pessoas que têm preocupações com uma justiça que seja confiável”.

Questionado sobre a libertação de Sócrates, António Costa também reage na RTP: “Qualquer pessoa que recupera a liberdade, naturalmente é uma boa notícia para qualquer ser humano. A liberdade é a garantia maior, o bem maior que qualquer ser-humano pode ter”.

Já Paulo Portas, como é seu hábito nestes temas, recusa-se a fazer qualquer comentário: “À política o que é da política, à justiça o que é da justiça“.

José Sócrates saiu este sábado de casa para visitar o ex-Presidente da República Mário Soares. À chegada á porta de casa do ex-chefe de Estado, no Campo Grande em Lisboa, afirmou aos jornalistas: “Quero retribuir tudo o que fez por mim, foi o meu melhor amigo durante este tempo todo“. José Sócrates chegou no carro de Mário Soares, que tinha enviado o seu motorista para transportar o ex-primeiro-ministro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR