Yanis Varoufakis

Varoufakis nega receber 54 mil euros por palestra e divulga quanto recebeu

472

O ex-ministro grego das Finanças foi criticado por cobrar valores milionários e viajar em primeira classe para participar em conferências. No seu blogue, nega e mostra quanto recebeu em 25 ocasiões.

AFP/Getty Images

Autor
  • Sara Otto Coelho

O ex-ministro das Finanças da Grécia, Yanis Varoufakis, usou o seu blogue para desmentir que cobra 60 mil dólares (cerca de 54,4 mil euros) para discursar num país fora da Europa e cinco mil dólares (cerca de 4.500 euros) por uma comunicação num país europeu. E divulgou 25 eventos onde participou, com os respetivos valores que recebeu.

Numa mensagem intitulada “Transparência em todo o lado! Os meus honorários e o mais recente movimento difamatório da Troika”, Varoufakis descreve o jornal grego Proto Thema como difamatório. Foi esta publicação que divulgou, na segunda-feira, a tabela de preços de conferências da agência London Speaker Bureau, que representa o ex-ministro.

Para além dos valores considerados “escandalosos”, a imprensa grega também referiu que Varoufakis exige viajar em classe executiva e pede alojamento e refeições incluídas.

“Desde a minha demissão do Ministério das Finanças, em protesto com a capitulação do Governo perante a Troika, tenho gasto o meu tempo e a minha energia a transferir o espírito da Primavera de Atenas para o coração da Europa”, escreveu. Isto traduz-se em “intermináveis viagens e mais de 20 presenças em diferentes cidades europeias num espaço de dois meses”.

Entre essas cidades inclui-se Coimbra, por onde Varoufakis passou a 17 de outubro para dar a conferência “Democratizar a Zona Euro”, na Universidade. Esta é uma das 25 conferências que o ex-ministro do governo Syriza lista no final da mensagem, e onde escreve para cada uma delas se recebeu, quanto recebeu e se teve as despesas de viagem pagas.

No caso de Coimbra, o ex-ministro grego não recebeu nada, tendo-lhe sido pagas as despesas de viagem. O mesmo já tinha sido confirmado à TVI pelo Centro de Estudos Sociais da mesma universidade. De acordo com o artigo do Proto Thema, por uma aula numa universidade Varoufakis cobra 1.500 dólares (cerca de 1.400 euros à taxa de câmbio atual).

Contactada pelo britânico Telegraph, a agência London Speaker Bureau não prestou declarações sobre os valores em causa e referiu apenas que “os conferencistas adaptam os valores pedidos à natureza do evento, à sua duração e à viagem necessária”, disse um porta-voz da empresa.

Varoufakis divide as 25 aparições listadas em “Lista A – Discursos Políticos” e “Lista B – Discursos Comerciais / Presenças“. É na primeira que se concentra o grosso das conferências, 23. Em apenas três o ex-ministro assume ter cobrado, “porque os organizadores insistiram”: 1.000 euros para um discurso Rússia, 500 euros numa comunicação pública na Alemanha e 1.700 euros numa palestra em Espanha. Em todas as viagens em que foram pagas despesas de deslocação, Varoufakis diz ter viajado em classe económica.

Na lista B estão apenas duas conferências, com valores bem diferentes dos da primeira listagem. A 27 de setembro, cobrou 24 mil euros (depois de impostos) para participar num programa do canal italiano RAI 3. Recebeu ainda despesas de viagem, com direito a voar em primeira classe. A 21 de outubro recebeu 28.800 euros (depois de impostos) para fazer uma apresentação em Singapura. Viajou em classe executiva. 

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Espanha 2015

Nem tudo vale na política

Dantas Rodrigues

Oportunismos como o da candidatura de Manuel Valls em Barcelona é que degradam a imagem da política e alimentam a propagação de partidos populistas sejam eles de extrema-direita ou de extrema-esquerda

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)