Pintura

Onde encontrar o pintor dos 6 cêntimos

225

Uma campanha está a juntar 600 mil euros para comprar um quadro de Domingos Sequeira - seriam 6 cêntimos por português. Onde estão as outras obras do artista que está a mobilizar tanta boa vontade?

"Alegoria às virtudes de D. João VI" está no Palácio Nacional de Queluz

Domingos Sequeira pintou quadros de D. João VI, O Clemente, e de D. Carlota Joaquina, A Megera de Queluz. Demorou algum tempo, mas também o artista ganhou um cognome: é agora Domingos Sequeira, O Pintor dos 6 Cêntimos.

A responsabilidade é do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), que lançou esta semana uma campanha de angariação de fundos para comprar a um proprietário privado o quadro Adoração dos Magos. No total, são precisos 600 mil euros. Como lembrou António Filipe Pimentel, director do MNAA, isto daria 6 cêntimos por cada português.

A Adoração dos Magos está neste momento em exposição no MNAA, que tem no seu acervo 45 pinturas de Domingos Sequeira — sendo 23 esboços — e 760 desenhos. Mas este não é o único sítio onde estão as obras do artista. Várias outras encontram-se espalhadas por Portugal e pelo estrangeiro.

mapa_quadros_domingos_sequeira02 (1)

Nesta fotogaleria, veja as imagens das 14 obras de Domingos Sequeira que assinalamos na infografia em cima.

1 – “Alegoria à Fundação da Casa Pia” (1792-1794)

Este quadro foi pintado para Pina Manique, fundador da Casa Pia. Pina Manique foi um dos principais apoiantes do Marquês de Pombal e, depois da sua saída do poder, chegou a ocupar o cargo de Intendente-Geral da Polícia, onde não se distinguiu por exercer as suas funções com suavidade.

2 – “Milagre de Ourique” (1793)

Aqui é retratada a batalha, vencida por D. Afonso Henriques em 1139, que está na base do aparecimento do reino de Portugal. O milagre em causa consistiu numa visão que D. Afonso Henriques terá tido de Jesus Cristo.

3 – “Pregação de S. João Baptista” (1793)

Pregador do início do século I, foi S. João Baptista quem baptizou Jesus Cristo no rio Jordão. Morreria na prisão.

4 – “O Príncipe Regente D. João” (1802)

Este terá sido, de acordo com o site Portal da História, o primeiro quadro que Domingos Sequeira terminou depois de ser nomeado pintor régio, a 28 de junho de 1802. D. João, terceiro filho de D. Maria I e de D. Pedro II, tornou-se regente quando a sua mãe — conhecida como A Piedosa, ou A Louca — foi declarada incapaz. A ficha de inventário do quadro regista aquele que deveria ser o peso quase insustentável das condecorações com que D. João se fez retratar: “Ostenta ao peito a Insígnia do Tosão de Ouro, a Grande Placa das Três Ordens Militares e a Placa da Ordem de Carlos III de Espanha. Ostenta ainda as Bandas da Ordem de Carlos III e a das Três Ordens Militares, rematada com o respectivo Grande Hábito”.

5 – “O Príncipe Regente passando revista às tropas na Azambuja” (1803)

Os exercícios militares retratados nesta pintura tiveram lugar no Campo do Quadro, perto da Azambuja, no final de 1798, e envolveram mais de seis mil soldados. De acordo com a ficha de inventário da obra, “D. João tem o braço direito estendido para a frente, em direcção ao campo de batalha”.

6 – “Junot protegendo a cidade de Lisboa” (1808)

A sugestão para o tema deste quadro partiu (preparem-se para esta demonstração de humildade) do próprio general Junot, que esteve à frente das tropas francesas que entraram em Portugal em 1807. O invasor passava assim a protector.

7 – “Alegoria às virtudes de D. João VI” (1810)

Aqui aparece novamente D. João VI, que nomeou Domingos Sequeira pintor régio. O monarca surge, sem grandes subtilezas, sentado entre as nuvens.

8 – “Lisboa protegendo os seus habitantes” (1812)

Em 1808, Junot protegia Lisboa; em 1812, Lisboa protegia os seus habitantes.

9 – “O Conde de Farrobo” (1813)

Joaquim Pedro Quintela, 1.º conde de Farrobo, foi um dos grandes capitalistas do seu tempo. O seu gosto pelas festas daria origem à expressão “farrobodó”, que se transformaria em “forrobodó”. Mas este quadro foi pintado muito antes de tudo isso: de acordo com a ficha de inventário da obra, aqui teria “onze ou doze anos”

10 – “Família do Visconde de Santarém” (1816)

O 1.º Visconde de Santarém chamava-se João Diogo de Barros Leitão Carvalhosa e a família retratada neste quadro era, segundo a ficha de inventário, relativamente extensa: a sua segunda mulher, os cinco filhos e o seu irmão mais novo. A escultura em cima da mesa é de D. João VI (sempre ele).

11 – “Retrato Equestre de D. Carlota Joaquina” (1817)

Quando tinha apenas 10 anos, casou-se com o príncipe D. João, futuro D. João VI. Tiveram nove filhos e pode dizer-se que não viveram um casamento feliz. D. Carlota Joaquina tentaria afastar e substituir o marido — sem sucesso.

12 – “Mariana Benedita Sequeira” (1822)

O apelido não permite grandes equívocos: Maria Benedita era filha de Domingos Sequeira e nasceu em 1812. Segundo a ficha de inventário, o quadro “foi legado ao Museu Nacional de Arte Antiga em 1902”.

13 – “Adrião Ribeiro Neves” (1825)

De acordo com o Ashmolean Museum, Adrião Ribeiro Neves era um amigo próximo de Domingos Sequeira. O quadro foi pintado em Paris, onde ambos estavam exilados.

14 – “Coroação da Virgem” (1825-1830)

A coroação que dá título ao quadro é feita, segundo a ficha de inventário da obra, pela Santíssima Trindade “envolta numa auréola de cores vibrantes”. De acordo com o Museu Nacional de Arte Antiga, esta é uma “visão deslumbrante e luminosa do Além” e representa um período de “acerbada espiritualidade” de Domingos Sequeira.

15 – “Adoração dos Magos”

É o quadro de que toda a gente fala. Neste momento, está em exibição no Museu Nacional de Arte Antiga, que o pretende comprar. Para saber todos os detalhes sobre esta obra, leia este artigo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Texto de Miguel Pinheiro, grafismo de Milton Cappelletti.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mpinheiro@observador.pt
História

Integralismo, Modernismo: urgência de um desagravo

António de Souza-Cardoso
136

O Integralismo Lusitano foi a reacção possível de uma elite política de referência às misérias de uma república trauliteira exaurida de ideias, de sentido cívico ou de responsabilidade ética e social

CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)