Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O candidato conservador Mauricio Macri da coligação Cambiemos é o favorito para vencer as eleições presidenciais na Argentina, segundo as sondagens à boca das urnas divulgadas pelos meios de comunicação do país. A vantagem vai dos seis aos 20 pontos.

Caso se confirme as previsões das sondagens no resultado final, Macri venceria o candidato ‘kirchnerista’ Daniel Scioli, do partido Frente Para a Vitória (FPV). E com isso põe fim a um período chamado pelos historiadores e jornalistas como ‘kirchnerismo’, iniciado em 2003 com a vitória de Néstor Kirchner, morto em 2010, e pela sua sucessora e viúva, Cristina.

Daniel Scioli havia vencido a primeira volta das eleições presidenciais na Argentina com 37,08% dos votos, contra 34,15% de Macri. Para evitar a segunda volta, tinha sido preciso obter 45% dos votos, ou mais de 40% desde que com uma vantagem de dez pontos percentuais em relação ao segundo na corrida. Como assim não foi, Macri parece dar agora a volta ao resultado na segunda volta. 

O jornal Clarín avança que os primeiros resultados oficiais vão ser divulgados às 22h30 (hora de Lisboa) e às 1h00 conhecer-se-á a tendência definitiva para confirmar o novo inquilino da Casa Rosada.

Mais de 32 milhões de argentinos foram chamados a eleger não só o Presidente do país, mas também onze governadores, e, pela primeira vez, os deputados do parlamento do Mercosul, organização que reúne cinco países latino-americanos (Venezuela, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR