O encaixe com as exportações de diamantes por Angola caiu mais de 40 por cento em outubro, face ao mesmo mês de 2014, para 86,3 milhões de dólares, enquanto o volume, em quilates, também diminuiu, quase 17%.

De acordo com um relatório do Ministério da Geologia e Minas angolano, ao qual a Lusa teve acesso, durante o mês de outubro foram exportados 624 mil quilates, ao preço médio de 138 dólares norte-americanos (129 euros).

Há precisamente um ano, as exportações de diamantes por Angola atingiram os 751,1 mil quilates (-16,85% em 2015), tendo atingido os 144,5 milhões de dólares (135,4 milhões de euros), valor que compara com os 86,3 milhões de dólares (80,8 milhões de euros) em outubro de 2015 (-40,2%).

Já a produção, segundo o relatório, atingiu em outubro os 800 mil quilates, um aumento no volume de 9,7%, no espaço de um ano, potenciando um aumento de receitas em diamantes comercializados, em função da “qualidade e volume de pedras especiais na produção aluvionar no Cuango, Somiluana, Lulo e Chitotolo”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A produção industrial de diamantes angolana envolveu em outubro dez das doze minas em exploração, com a de Catoca, na província da Lunda Norte, a liderar, com 576.776 quilates em apenas um mês. Angola arrecadou em 2014 cerca de 10 mil milhões de kwanzas (69,2 milhões de euros) só com impostos sobre a venda, no total, de 8,6 milhões de quilates, por 1.274 milhões de dólares (1,1 mil milhões de euros).

Depois do petróleo, os diamantes são o principal produto de exportação de Angola, país que está entre os cinco principais produtores mundiais.