A Ordem dos Médicos (OM) considerou “inqualificável” a forma como os jovens médicos estão a ser tratados pela administração de saúde, que, diz, alterou o mapa de vagas para internato, à última da hora e sem explicações.

Já hoje a associação dos estudantes de medicina tinha criticado a forma como está a decorrer o concurso para o internato, conduzido pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), afirmando agora a OM, em comunicado, que o concurso para o internato da especialidade tem sido “uma trapalhada” nos últimos anos e que agora ainda é pior.

“Os jovens médicos, mais de 1.700, que a partir de ontem tinham de fazer a sua candidatura nas diferentes Administrações Regionais de Saúde, foram hoje surpreendidos com alterações do número de vagas e da sua localização, feitas de um dia para o outro. Sem qualquer explicação plausível, o mapa de vagas de internato ontem publicado é diferente do que hoje foi apresentado aos internos”, lamenta a Ordem no comunicado.

A OM acusa a ACSS de “ligeireza e irresponsabilidade” no tratamento de um processo “que traça o destino aos jovens médicos candidatos ao internato de especialidade e todo o seu futuro na profissão”.

Os estudantes de medicina solicitaram o adiamento “imediato” do processo.

Esta é a fase em que os estudantes recém-licenciados em medicina, e após um ano comum e a nota obtida na prova nacional de seriação, concorrem a uma lista de vagas para obterem a sua especialidade médica, que pode durar quatro a seis anos.

O processo abriu segunda-feira e decorre até 04 de dezembro.