Rádio Observador

Governo

França pediu ajuda militar, mas é o próximo Governo que decide

402

Os atentados terroristas e a participação portuguesa no conflito estavam em cima da mesa. A NATO veio ao barulho e o caldo entornou, com Aguiar-Branco a citar Azeredo Lopes para responder a BE e PCP.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Portugal pode vir a apoiar os franceses na luta contra o Estado Islâmico na Síria e com o reforço da participação militar em teatros de operações em África, nomeadamente no Mali e na República Central Africana, no âmbito de missões da União Europeia. A informação foi avançada por José Pedro Aguiar-Branco, no Parlamento, mas está dependente do que decidir o próximo Governo. E Bloco e PCP já torceram o nariz.

Aguiar-Branco foi à Comissão de Defesa Nacional a pedido de PSD e CDS para explicar que esforços têm sido desenvolvidos desde que França, na sequência dos ataques terroristas de 13 de novembro, invocou a cláusula de defesa mútua, inscrita nos tratados europeus. E o que diz essa cláusula? “Se um Estado-Membro vier a ser alvo de agressão armada no seu território, os outros Estados-Membros devem prestar-lhe auxílio e assistência por todos os meios ao seu alcance”. Com François Hollande a declarar guerra ao Estado Islâmico isso pode significar, no limite, que todos os Estados-membro da União Europeia estão também em guerra com os terroristas.

Mesmo reconhecendo que a invocação desta cláusula é “um feito inédito da história da Europa”, Aguiar-Branco fez questão de sublinhar que “todos os Estados-membro” estão com os franceses nesta decisão, “considerando-a totalmente justificável” – “mesmo os Estados que são tradicionalmente neutrais”. O que está “verdadeiramente em causa é um ataque aos valores europeus” e ao projeto europeu, justificou.

E foi ao abrigo dessa cláusula que os franceses pediram ajuda ao Governo português para combater o terrorismo, não só no Médio Oriente, mas também no continente africano – sempre no âmbito de missões europeias. No entanto, como admitiu Aguiar-Branco, estando a prazo, o Governo não podia “eticamente” comprometer-se com este tipo de auxílio militar. A decisão caberá, por isso, ao próximo Executivo socialista – e convencer bloquistas e comunistas a aceitar estes termos pode vir a não ser tarefa fácil.

No reunião da Comissão de Defesa, foi João Vasconcelos, deputado do Bloco de Esquerda, a levantar as primeiras reservas em relação à forma como a coligação internacional têm conduzido as operações de combate ao Estado Islâmico no Iraque e na Síria e, sobretudo, como a NATO e o ocidente têm lidado com a Turquia. “A Turquia é membro da NATO, mas é tolerante em relação ao Estado Islâmico“, atacando os curdos, os únicos que combatem com alguma eficácia o exército do EI no terreno, e dando apoio operacional aos terroristas, insistiu o bloquista.

Jorge Machado não deixou arrefecer o tema para dizer que Aguiar-Branco caia numa profunda contradição: “Querem combater o Daesh na Síria, mas ao mesmo tempo apoiam a Turquia no âmbito da NATO. A Turquia tem gigantescas cumplicidades com o Daesh. [Então], estamos com França no combate ao terrorismo e com a Turquia na NATO? Não podemos estar com Deus e com o diabo no mesmo conflito“, atirou.

A estas perguntas e acusações, o ministro da Defesa cessante respondeu com as palavras do futuro ministro da Defesa socialista, Azeredo Lopes, antecipando as divergências entre socialistas, de um lado, e bloquistas e comunistas do outro quanto ao papel de Portugal no conflito de larga escala. Num artigo de opinião publicado no Jornal de Notícias, o futuro titular da pasta da Defesa criticava “o relativismo complexado mais revoltante”, daqueles “que condenam os ataques, lançando no entanto sempre um mas: É horrível… mas é preciso estudar as causas (e eu respondo: é só horrível); É totalmente condenável, mas “nós” também temos culpas (e eu [Azeredo Lopes] respondo: só aceito o totalmente condenável). 

Nesse mesmo artigo de opinião, Azeredo Lopes lançava também uma receita que Aguiar-Branco fez questão de citar: “Ou destruímos a realidade e o símbolo “Estado” “Islâmico”, ou ele destrói aspetos fundamentais da nossa vida em sociedade. E a sua destruição passa pelos combates na longínqua Síria e por aceitar que, se calhar, os russos têm alguma razão. Mas passa também por encararmos estes canalhas pelo seu valor facial: são (só) assassinos, são (só) criminosos, não são “combatentes”. Não lhes façam, por favor, o imenso favor de os glorificar”.

Estava deixado o desafio por Aguiar-Branco. O bloquista João Vasconcelos ainda ensaiou uma resposta dizendo que o ainda ministro da Defesa “convive mal com a história” e que “não gosta que seja lembrada a Cimeira das Lajes”. Aguiar-Branco, já em modo de despedida – o próximo Governo toma posse esta quinta-feira – respondeu: “O Bloco – e o PCP – convivem mal com a ideia de Portugal estar na NATO”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)