Dezenas de milhares de pessoas saíram hoje à rua na Austrália no terceiro dia de manifestações para pressionar os líderes globais a fecharem, na cimeira de Paris, um pacto que reduza os gases de efeito estufa.

Cerca de 150 líderes mundiais, incluindo Barack Obama (EUA), Xi Jinping (China), Narendra Modi (Índia) e Vladimir Putin (Rússia) vão participar na cimeira do ambiente, que começa na segunda-feira e cuja meta é firmar um acordo climático universal.

O objetivo é limitar o aquecimento global a dois graus celsius, ou menos, em relação aos níveis pré-Revolução Industrial, reduzindo as emissões de combustíveis fósseis.

Manifestações pela redução das emissões de carbono têm vindo a multiplicar-se desde sexta-feira. As marchas por toda a Austrália marcaram o arranque do último dia de protestos.

Eventos semelhantes estão planeados para Seul, Rio de Janeiro, Nova Iorque e Cidade do México, entre outras cidades.

“Não há um Planeta B”, lia-se num cartaz em Sydney, onde dezenas de milhares de pessoas se juntaram.

A campanha global começou em Melbourne na sexta-feira, e incluiu manifestações no sábado na Nova Zelândia, Filipinas, Bangladesh, Japão, África do Sul e Reino Unido.