Moda

A história feminista da t-shirt do momento

"The Future is Female" é a frase que se lê nas t-shirts e sweatshirts que estão a dar que falar. As peças de roupa podem estar hoje na moda, mas ainda ontem fizeram história.

Imagem retirada da conta de Instagram sarahc_hunt

Podia ser só mais uma t-shirt (ou sweatshirt) monocromática com uma mensagem escrita ao nível do peito. Podia, mas não é. Em outubro último, a modelo e atriz Cara Delevingne foi fotografada nas ruas de Paris a usar uma sweatshirt com as palavras The Future is Female (“o futuro é das mulheres”, em português) sob um casaco de cabedal escuro. Não foi necessariamente a combinação das peças de roupa que chamou a atenção da imprensa internacional, antes a frase que remete para um movimento feminista dos anos 1970. Mas já lá vamos.

Também a namorada de Delevingne, Annie Clark (St. Vincent), parece ter ficado rendida à camisola em questão, ao ser vista dias mais tarde a combiná-la com uma mala Chanel. O resto do mundo, como vem sendo hábito, adotou o gosto da it girls, com a sweatshirt a marcar presença em diferentes redes sociais, Instagram e Tumblr incluídos.

Este parece ser o regresso de um ícone de moda — se assim o pudermos chamar — que já antes fez história. Conta o New York Times que a t-shirt foi vista pela primeira vez em 1975, altura em que foi imortalizada num retrato que a fotógrafa e artista Liza Cowan fez da sua namorada, Alix Dobkin. Já o design foi originalmente criado para a Labyris Books, a primeira livraria para mulheres em Nova Iorque.

O slogan em causa diz respeito a movimentos feministas, incluindo o “separatismo lésbico”, tal como explica Rachel Berks, a proprietária da única loja que atualmente vende as respetivas peças de roupa — Otherwild, em Los Angeles. “A t-shirt é uma reação a uma cultura misógina e patriarcal que afeta muitas pessoas”, disse Berks ao New York Times num artigo datado de 18 de novembro, o qual já gerou muita polémica.

As t-shirts e sweatshirts estão disponíveis por 28 e 57 euros, respetivamente (há ainda babygrow para recém-nascidos), sendo que 25% do valor das vendas será doado à Planned Parenthood. E sim, os produtos estão a escoar tão bem que Rachel Berks vendeu todas as suas 24 peças em apenas dois dias.

laying the sun and leaves ?#thefutureisfemale

Uma foto publicada por lindsay peoples (@lrpeoples) a

O slogan pode até ser coisa do momento, com celebridades a ajudarem à causa, mas esconde uma importante mensagem, segundo que o se pode ler no site da Otherwild:

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Moda

Deixar a gravata em casa /premium

Maria João Marques

O mundo financeiro perdeu a aura de conservadorismo e confiança – de que os fatos e gravatas, se possível botões de punho e, sempre, sapatos de atacadores ou fivela eram a regra – com a crise de 2008.

Demografia

Envelhecimento e crescimento económico /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nada é mais importante para países como Portugal do que o imparável envelhecimento da população e as suas consequências a todos os níveis da sociedade, da saúde ao potencial de crescimento económico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)