Está confirmado: os jogos do campeonato que o Benfica realize no Estádio da Luz vão ser transmitidos pela NOS a partir de 2016/17. A operadora de televisão anunciou ao final da tarde desta quarta-feira que o contrato tem “uma duração inicial de três anos”, revelando que pagará 400 milhões de euros aos encarnados, em “montantes anuais progressivos”. Ora, estes termos equivaleriam ao pagamento de um valor anual na ordem dos 133 milhões de euros — não fosse o acordo prever que o vínculo “pode ser renovado por qualquer uma das partes até perfazer um total de 10 épocas desportivas”. Logo, corresponderá a 40 milhões de euros/época.

O negócio, que a NOS formalizou num comunicado enviado à Comissão do Mercado dos Valores Mobiliários (CMVM), volta a colocar os direitos televisivos do Benfica nas mãos de um operador privado de televisão. Em 2013, a direção de Luís Filipe Vieira, presidente encarnado, rejeitou a proposta apresentada pela PPTV, de Joaquim Oliveira (que detém metade da Sport TV) e passou a transmitir os jogos em casa da equipa na Benfica TV, canal próprio do clube. Na altura, foi noticiado que o clube recusou uma oferta de pouco mais de 22 milhões de euros (111 milhões por cinco épocas) pelos direitos televisivos do Benfica, que pretendia um montante a rondar os 40 milhões por temporada. A NOS, refira-se, é atualmente detentora dos outros 50% da Sport TV.

A operadora, que é controlada pela Sonae de Paulo Azevedo e Isabel dos Santos, conseguirá assim a exclusividade total de transmissão dos jogos caseiros do Benfica no campeonato. Isto porque, além de garantir os direitos dos encarnados, o acordo comunicado pela NOS prevê também “a cessão dos direitos de transmissão e distribuição do Canal Benfica TV”. O documento não especifica se aos direitos relativos à Benfica TV se aplica um regime de exclusividade. Hoje, o canal dos encarnados pode ser adquirido nos serviços de televisão da NOS, da MEO e da Vodafone. Além dos jogos do Benfica em casa, transmite jogos da liga inglesa e da liga francesa.

Com este acordo, a NOS garante a exclusividade dos direitos televisivos dos jogos do clube com maior número de adeptos em Portugal. E, sobretudo, como escreveu o Expresso, terá conseguido ganhar a corrida à MEO, que alegadamente já apresentara uma proposta ao clube da Luz — e ao Sporting e FC Porto, como o Diário de Notícias chegou a noticiar, a 28 de novembro. Miguel Almeida, presidente da NOS, já avisara, aquando de uma conferência recente da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações (APDC), que a operadora agiria “em conformidade se um concorrente quebrar nas palavras e nas ações um equilíbrio que existe hoje”.

O contrato da NOS com o Benfica arranca na próxima época, em 2016/17, quando a grande maioria dos restantes clubes da primeira liga ainda terão em vigor os vínculos com a Sport TV, que perduram até 2017/18. Foram recentemente renegociados por Joaquim Oliveira, que de acordo com uma proposta enviada e aceite pela Autoridade da Concorrência, reduziu a três anos todos os contratos que tinha com clubes da I Liga, bem como anulou as cláusulas de direito de preferência, colocando assim fim a uma polémica levantada pela Liga de Clubes no tempo de Mário Figueiredo.