Olá

832kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

"O sonho adia-se, a esperança mantém-se". Paulo Gonçalves sai do Dakar

Este artigo tem mais de 5 anos

O português caiu, ficou inconsciente, sofreu um ligeiro traumatismo craniano e teve de ser transportado de helicóptero para o hospital. "Está bem", mas o abandono do piloto da Honda já foi confirmado.

O piloto português chegou a liderar o Dakar durante quatro etapas. Em 2015 terminou o rali na segunda posição da classificação geral das motos
i

O piloto português chegou a liderar o Dakar durante quatro etapas. Em 2015 terminou o rali na segunda posição da classificação geral das motos

ASO/A.Lavadinho

O piloto português chegou a liderar o Dakar durante quatro etapas. Em 2015 terminou o rali na segunda posição da classificação geral das motos

ASO/A.Lavadinho

É por isto que a sabedoria popular inventou tantos ditados. Um azar nunca vem só e Paulo Gonçalves foi mais uma cobaia para o provar. Depois de um pneu encravar na areia e o projetar moto fora, de um pau lhe furar o radiador e quase o obrigar a desistir do Dakar, o português sofreu uma queda que o deixou inconsciente — e o fez abandonar o rali, na 11.ª etapa. A nova maleita sofrida pelo piloto da Honda até fez com que fosse transportado para um hospital para ser observado por uma equipa médica, esta quinta-feira.

O português, de 36 anos, sofreu o acidente ao 118.º quilómetro da etapa que ligava La Rioja a San Juan, na Argentina. A queda fez com que Paulo Gonçalves sofresse “um ligeiro traumatismo craniano”, mas o piloto não sofreu qualquer fratura, disse ao Observador a assessoria do piloto, que foi transportado de helicóptero para um hospital onde, pouco depois das 16h, ainda se encontrava: “Está bem e sob observação médica, não foi nada de muito grave”. Ainda se esperam os resultados de alguns exames e, por isso, ainda não foi possível antecipar a data de regresso do piloto a Portugal

ÚLTIMA HORAPaulo Gonçalves está fora do #Dakar2016!O piloto português está oficialmente fora de prova, depois de uma...

Posted by Paulo Gonçalves on Thursday, 14 January 2016

O piloto chegou a escapar por pouco a uma saída do Dakar — partiu o motor da moto após um pau lhe furar o radiador –, graças à decisão da organização em interromper a nona etapa, devido ao muito calor que causou várias quedas num piso arenoso e cheio de dunas. Paulo Gonçalves passou a noite de terça para quarta-feira (sem ajuda da assistência técnica da equipa ou da prova) a resolver os problemas mecânicos na mota e conseguiu até terminar a nona etapa com o quarto melhor tempo. A direção do rali, porém, penalizou-o em 39 minutos e 56 segundos e atirou o português para o oitavo lugar da classificação geral, a mais de uma hora da liderança.

Paulo Gonçalves chegou a liderar a corrida entre a quarta e a oitava etapa, na qual sofreu uma queda que o fez perder algum tempo e cair para o segundo lugar. Perdeu mais na sétima, quando esteve cerca de 10 minutos parado a ajudar Mathias Walkner, piloto austríaco que encontrou deitado na areia, derrubado por uma queda que lhe partiu o fémur numa das pernas. O ato de auxílio e boa vontade do português fez com que a organização do Dakar lhe devolvesse o tempo perdido na paragem.

Em 2015, o piloto de Esposende terminou o Dakar no segundo posto, a 16m53s do vencedor, tempo de atraso causado pelos 17 minutos acumulados nas três penalizações que lhe foram impostas durante a corrida. Tinha 35 anos, hoje tem mais um, mas não será preciso falar com ele para saber que, em 2017, Paulo Gonçalves vai caçar o que lhe voltou a fugir neste Dakar. “Vejo pilotos que ganham um Dakar com 40 e 50 anos, com performances incríveis. Se olhar para as idades dos pilotos de motas que estão em competição, tenho pelo menos mais 10 anos de Dakar pela frente. Continuo a acreditar que é possível, cada vez mais, e Portugal nunca esteve tão perto de o conseguir. É a minha grande motivação”, disse, o ano passado, ao Observador. Esperemos que para o ano seja mesmo de vez.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine um ano por 79,20€ 44€

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Verão 2024.  
Assine um ano por 79,20€ 44€
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Este verão, mergulhe no jornalismo independente com uma oferta especial Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver ofertas Oferta limitada