O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, garantiu hoje que existe um “consenso alargado” entre os seis municípios servidos pela STCP sobre a eventual participação das autarquias na gestão daquela empresa de transportes públicos.

“As autarquias acham sempre que têm alguma coisa a dizer sobre a gestão dos STCP e temos um consenso alargado sobre essa matéria que temos demonstrado ao longo dos últimos meses”, afirmou Rui Moreira no final de uma reunião com os autarcas de Gaia, Gondomar, Matosinhos, Maia e Valongo.

A reunião, que contou com a presença de representantes do Conselho Metropolitano do Porto, foi solicitada na final da passada semana pelo presidente da Câmara de Gondomar depois de serem conhecidos alguns cortes de serviços da STCP — Sociedade de Transportes Coletivos do Porto.

Do lado do Porto, o presidente da câmara explicou que a reunião teve como objetivo a definição de “uma estratégia relativamente àquilo que se passa com os STCP” e também a preparação de uma reunião que os seis autarcas querem ter “proximamente com o governo sobre essa matéria”.

“Só depois disso faremos declarações. Nesta altura temos essa preocupação, temos preocupação com a questão da bilhética, com o serviço que neste momento não é o melhor que está a ser prestado a todos os nossos municípios e portanto foi uma reunião de trabalho que terá depois conclusão quando falarmos com os representantes do governo central”, realçou Rui Moreira.

O presidente da câmara do Porto sublinhou ainda que a preocupação dos seis autarcas “é unânime” e prende-se com a “enorme degradação” do serviço dos STCP nos últimos anos que “tem um impacto terrível para a vida das pessoas”.

“Chegamos a uma fase diferente, temos um governo diferente, um ministro com intenções diferentes e é com ele que iremos falar e apresentar também a nossa visão e saber até que ponto é possível consensualizar aquilo que é o interesse dos municípios com aquilo que é a vontade e as possibilidades do governo”, salientou.

Rui Moreira escusou-se porém a dar mais pormenores sobre a estratégia definida, remetendo qualquer declaração para depois da reunião com o governo que ainda não tem data marcada.

“Até lá seria imprudente e deselegante da nossa parte fazer qualquer declaração”, disse

Também o presidente da Câmara de Gondomar, Marco Martins, garantiu que “o consenso é total em todos os pontos” entre os autarcas hoje reunidos.

“Não estaremos dispostos a permitir a degradação do serviço público e é isso que tem acontecido”, afirmou o socialista que disse mesmo duvidar “que o governo soubesse que ia haver cortes” na empresa de transportes públicos que opera nos seis municípios.

O anterior Governo PSD/CDS-PP tinha atribuído a concessão das empresas em Lisboa ao grupo espanhol Avanza, o Metro do Porto à Transdev e a rodoviária STCP — Sociedade de Transportes Coletivos do Porto à Alsa, do Grupo Nacional Express.

Os contratos aguardavam visto prévio do Tribunal de Contas para entrarem em vigor quando o Governo PS entrou em funções e decidiu suspender o processo de obtenção de visto prévio.

O presidente da câmara de Valongo, José Manuel Ribeiro, exigiu hoje esclarecimentos à administração STCP sobre a eventual redução de serviços das linhas que efetuam passagem em Ermesinde, a maior cidade daquele concelho.

Na quinta-feira as organizações representativas dos trabalhadores (ORT) da STCP solicitaram uma reunião urgente ao secretário de Estado Adjunto e do Ambiente para verem esclarecidas questões como a composição do futuro conselho de administração e o corte de serviços.